Pular para o conteúdo principal

Postagens

Literatura, Ediney Santana

Postagens recentes

A Palavra certa

Enquanto Bolsonaro tripudiava sobre direitos humanos, negros, índios, mulheres e pobres a esquerda brasileira insistia em tratá-lo de maneira acadêmica, como se estivessem em uma sala de aula de alguma universidade ou elaborando uma tese. Foi um engano tolo e imbecil. Bolsonaro trabalha na superfície de qualquer questão, para ele pouca interessa os porquês, contradições ou algum pensamento mais elaborado, até porque ele mesmo não consegue ir muito além do óbvio. Quando Bolsonaro percebeu que parte do eleitor doutrinado por sua verborragia vazia escondia outros ódios no suposto ódio ao  PT e tão somente o PT, a negros, tão somente negros, a nordestinos, tão somente nordestinos, a gays tão somente gays, a índios e tão somente índios, ele entendeu que poderia ser presidente enquanto o PT  e cia acreditavam que o povo não iria compactuar com um homem de ideias  tão prosaicas e preconceituosas .O preconceito cultural e acadêmico do PT foi terreno fértil para Bolsonaro, como ninguém o enfr…

Carta ao futuro

Escrevo em uma manhã fria e melancólica aqui em Brasília, poderia até mesmo dizer, uma manhã fúnebre, fúnebre porque há um cadáver estirado no chão azedado do país: o cadáver da democracia. A democracia enquanto valor absoluto no Brasil perdeu seu sentido quase que completo. No último domingo, dia 7 de outubro de 2018 quase cinquenta milhões de brasileiros, mesmo tendo opções, escolheram o candidato Bolsonaro como presidente, a eleição vai ao segundo turno, mas a votação expressiva neste homem e em filhos dele, bem como em muitos políticos tão medíocres quanto ele revelou uma face do Brasil escondida, mas que estava ali, esperando um momento de se revelar. Bolsonaro fez uma carreira como deputado abaixo da mediocridade, tudo que fez foi para ele e sua família nunca pensou no país, no entanto, seus discursos de ódio, ameaças e conspiração contra a democracia encontraram súditos, em uma espécie de histeria coletiva cativada pelo ódio a negros, mulheres pobres, nordestinos, índios, quil…

Mulheres contra Bolsonaro

Hoje o candidato à presidência o senhora Jair Bolsonaro sentiu a força de milhões de mulheres que não aceitam seu discurso quase sempre carregado de ódio e desrespeito aos direitos humanos. Bolsonaro parece ser um porta voz de ideologias tão caducas quanto perigosas, flerta com o fascismo e não reconhece a democracia como valor consagrado, sua visão de mundo parece não suportar qualquer tipo de contrariedade, sua palavra é tanto o começo quanto o fim. É perceptível também a infantilidade bizarra dos eleitores de Bolsonaro, muitos acreditam que o PT é o pai e mãe de toda corrupção no país. Curioso é que o homem que chegou ao posto de capitão ao ir para reserva. já foi acusado até de ter funcionária fantasma, mas nada disso importa, para os infantis eleitores de Bozo, ele tudo pode, corruptos? Só políticos do PT. Antes mesmo da eleição, Bolsonaro já tem um plano B caso não seja eleito: não vai reconhecer o resultado, segundo ele as eleições , em caso de derrota dele, é fraude. Se ele …

Fascismo não!

Cazuza cantava: Brasil mostra tua cara. Demorou, mas o país mostrou sua face antes oculta sob o mito de um país sem ódio, no qual todas classe sociais e raças viviam em paz: racismo, xenofobia, nazi-cristianismo, ódio pelas mulheres, negros e índios, desprezo pelos pobres. O Brasil revela-se tragicamente um país cruel e que celebra a morte de outras pessoas como se fossem troféus para colocar na galeria do ódio. Nestas eleições vivemos um momento dramático e decisivo para toda uma geração. Os fascistas se organizam para se apossarem do poder e fazer do nosso país a nova república do neonazismo. Pervertem a história e manipulam fatos, são cruéis e trazem consigo um desejo infinito de promover no Brasil a limpeza étnica inspirada na que seus gurus fizeram na Alemanha no século passado.
O fascismo- nazismo brasileiro identifica nos pobres tudo de ruim que acontece com o Brasil, desprezam o norte/nordeste e se pudessem já tinham dividido o país.  Serão tempos difíceis, se a besta vencer…

Refugiados

Esses dias com as sucessivas notícias sobre a crise na Venezuela e a desesperada travessia Venezuela - Brasil a pé por milhares de venezuelanos que tentam encontrar aqui alguma maneira de sobrevivência e a crescente onda xenófoba - nazifascista que lentamente toma conta do Brasil me veio algumas indagações sobre aqueles venezuelanos:  Quanto daquelas pessoas são parecidas comigo? Quantos assim como eu têm família, filha? Quantos assim como eu têm amigos legais? Quantos quando estavam no país deles, assim como eu, ao andarem pelas  cidades sentiam a dor dos que viviam nas ruas? Dos famintos? Dos invisíveis da sociedade? Quantos daqueles venezuelanos tinham na Venezuela livros, discos, gostavam de escrever poemas e gravar vídeos falando de literatura, recitando poemas?  Olhei para aquelas pessoas desesperadas, com olhares assustados, sujos e nas mãos apenas um saquinho com roupas e pensei: quem neste meio é o Ediney da Venezuela? O cara que gosta de trabalhar, gosta de beber cervejas c…

O racismo da TV Brasileira

Ligue a tv, não importa o canal, se a cabo ou aberto, escolha qualquer um dos programas. O que há em comum com todos eles? A quase completa ausência de negros.São agressivamente afirmativos na exclusão do negro, naturalizam o racismo e xenofobia sem constrangimento. Nesse projeto racista televisivo os canis de TV do Brasil usam cotas de negros, contratam dois ou três negros e os inserem em papeis menores, essa é a estratégia cretina desses grupos para tentarem esconder o que realmente são: racistas. Pergunto-me: o que pensa e como se sente quem trabalha nessas empresas e não são racistas sabendo e tendo consciência que de alguma maneira colabora com um projeto racista de afirmação racial branco? E em última instância ajuda a condenar milhões de seres humanos a uma vida periférica? Como se sentem os negros que trabalham nessas empresas sabendo que elas são racistas e que eles ali cumprem um papel menor dentro de uma organização criminosamente racial? O que não falta na tv brasileira s…