To Sir, With Love


“Ao Mestre com carinho” foi lançado em 1966. O filme conta a história do “professor” Mark Thackeray, interpretado por Sidney Poitier. Mark é um engenheiro que por estar sem emprego resolver atuar como professor no bairro operário de East End subúrbio de Londres.
O professor encontrar uma escola com professores desmotivados e alunos aptos a tudo menos a aprender alguma coisa. O professor Mark utiliza uma única pedagogia para enfrentar seus alunos “rebeldes”: A intolerância a qualquer ação dos alunos que não seja a ação de aprender.
O professor é enérgico e para alguns críticos, enérgico até demais. O fato é que o filme é de uma beleza comovente, tanto na fotografia sombria que retrata muito bem a Londres dos anos de 1960, como bela belíssima trilha sonora e pela atuação de todo o elenco.
Os problemas enfrentados pelo professor Mark não diferem muito dos problemas enfrentados pelos professores e professoras das nossas cidades e zonas rurais:
Colegas sem motivação, alunos mais aptos a ter informação que conhecimento, programas educacionais feitos para não acontecer e a figura do professor cada vez mais intimidade e sem representatividade.
No filme o Professor Mark tem sucesso, os seus alunos e alunas aprendem que não há rebeldia sem causa, o professor também aprende que seus alunos e alunas não eram desajustados ou não tinham chance alguma para o enfrentamento aos problemas da vida.
O professor aprende que assim como ele (mesmo sendo formado) não conseguia emprego os seus alunos de um pobre bairro operário, mesmo sendo brancos, não teriam muitas chances na vida. A exclusão social que o filme aborda foca a questão racial (Mark é negro) e desembarca também nas questões financeira.
A cena que mais gosto é a última quando Mark está arrumando suas coisas depois da formatura, um novo aluno chega e ri dele, neste momento Mark faz uma escolha pessoal: Ser professor para sempre.
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys