Pular para o conteúdo principal

“lindeberg fernandes alves”
De: Ediney Santana



Outro dia soube que três garotos de 13 e 12 anos levaram uma colega de escola para casa da avó de um deles e a estupraram-na. Uma das mães indagou ao filho o porquê de tanta violência: “Ela foi porque ela quis” foi a resposta de um dos meninos.
Na história contada acima há um pouco de tudo, de desprezo, de ódio vazio, de falta de uma boa base familiar, de falta de respeito à mulher. Tudo isso temperado com um ingrediente indigesto: estamos falando de crianças.
Todos nós acompanhamos nos últimos dias a agonia de duas jovens de 15 anos que eram mantidas reféns pelo ex-namorado de uma delas. Todos nós sabemos o que aconteceu, uma morreu e a outro ficou gravemente ferida. Nessa história assumimos vários papeis: sentimentalistas sem lágrimas e com lágrimas, impotentes, raiva sincera, sentimento sincero, indignados televisivos, pasmos televisivos e indiferentes.
A bem pouco tempo um casal em São Paulo foi acusado de ter jogado a filha de seis anos de idade da janela de um prédio, lembra? Durante o mesmo período que aconteceu o “seqüestro” das duas jovens de 15 anos em São Paulo, dois casos parecidos aconteceram e em um deles o “ seqüestrador” foi morto pela polícia.
Algo nisso tudo me chama a atenção, não vou julga, emitir juízo de valor, nada disso. Minha cisma é com a “capacidade” que muitas pessoas têm de se acostumar com as misérias humanas, com a capacidade de no mesmo instante que se está indignado, se está também passivo.
Nos telejornais isso é também visível, os apresentadores dão uma notícia ruim, ficam de cara amaradas, até esboçam raiva e revolta, mas no estante seguinte dão uma notícia “leve”, “ boa” para os telespectadores . O que acontece? Ficam sorridentes, felizes e com essa mesma velocidade os telespectadores também mudam de humor e de opinião.
Maior que as misérias fabricadas por uma sociedade pervertida é a tragédia de passivamente se habituar, de se tornar imune as misérias que pouco a pouco corroem o que resta de humanidade nessa nossa vida insossa.
Mesmo sabendo que dia menos dia qualquer um pode ser o protagonista de uma triste história da qual a única certeza é de que a dor maior será dos seus protagonistas, os telespectadores mudam de humor e de reação como quem muda de roupa ou melhor de canal.
http://edineysantana.zip.net
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…