Pular para o conteúdo principal

Tempo de voltar para Casa, velho Jolk
De:Ediney Santana


Creio que estou voltando para casa, depois de longas férias entre a adolescência,
vontade de mudar o mundo, de acabar com o mundo, de estripar o mundo, de deitar no jardim florido de amarelas flores do jardim da Praça da Purificação, de ser Comunista, de trepar com frutos proibidos, depois de duvidar, acreditar e duvidar novamente de Deus. Volto para casa, como a filha assustada voltaria nos anos 20 depois de ser e se “perder” nos braços de um jovem rapaz de jaqueta de couro e lambreta envenenada.
34 anos e já estou de volta, a casa é quase a mesma, minha mãe já começa a envelhecer, os amigos são quase os mesmos, as dores estão mais acentuadas. Neste período de ausência morreram: Tios, tias, pai, avô, alguns amigos, alguns inimigos, Lula foi eleito presidente, não tive filho, o tempo fechou e abriu para mim. Renato Russo se matou, Brizola? Foi morto pelo tempo. O Bar Vermelho está cada dia mais amarelo.
Já tenho medos, e cada dia estou mais ensimesmado, mais desejoso de estar só. Na verdade gostaria de ficar para sempre nos meus braços, escrevendo meus livros, sendo procurado no Google e não achado.
Hoje pela manhã encontrei Ivana, minha primeira paixão, da 1ª série infantil. O tempo (Belchior) mexeu com a gente e fez um estrago danado nos olhos da menina. Seus olhos eram lindos, hoje parecem ameixas de vidro fosco. Será que ela conseguiu namorar Pedro Henrique, o queridinho das meninas do Monteiro Lobato dos anos de 1980? Pobre Pedro Henrique da 1ª série infantil. (virou contraventor, deu zebra para a dona da escola que achava que ele seria o presidente da república)
Aprendi a mentir para não ser devorado, estranho isso, há sempre alguém dizendo que fez o mal para chegar ao bem. Eu matei para não morrer, mentir para preservar você, trair para ser feliz, dedurei meu melhor amigo para salva-lo das garras de uma terrível piranha, estraguei o namoro da minha amiga porque ela não merecia sofrer.
Erros de humanos corações, erros de corações civis, militares fingem super humanidade, mas matam em nome de coisas que não existem: Pátria, civismo, nacionalidade, território, ordem. Um dia a terra se irrita e faz com a gente o que fez com os dinossauros. Seremos (que dizer nos ossos) re-descobertos por uma nova espécie de formigas arqueólogos.
De volta para casa, sem bem nem mal, sem eira e sem a temível queda da beira. De volta para casa nos braços de um amor qualquer, de uma cama qualquer, pois posso até escolher a quem amar, mas não posso escolher a quem por mim sente amor.
http://edineysantana.zip.net
ediney-santana@bol.com.br
Laetitia Editore

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…