Pular para o conteúdo principal



"Unchained Melody"
De: Ediney Santana


No final dos anos de 1950 e meados de 1960 uma cantora iniciava sua carreira de forma meteórica. Cantando músicas inocentes Celly Campelo entrou para a história do Rock Brasil, mais que isso com ela o Rock Brasil começou.
Ao lado do seu irmão Tony Campelo, Celly gravou vários compactos e LPs, uma das suas interpretações memoráveis é da canção "Unchained Melody” , que faz parte da trilha sonora do filme Gost- Do outro lado da vida ( 1990) no filme a canção é interpretada Righteous Brothers.
Celly abandonou a carreira precocemente para se casar em 1962 com seu namorado de infância José Edwards Gomes Chacon, anos depois tentou retomar a carreira, mas não teve o mesmo sucesso. A mulher que começou o Rock brasileiro deixou tudo para viver no anonimato, uma vida simples, cotidiana igual a qualquer mãe de família. Contradições de uma artista que hoje podemos ouvir na voz de Gal Costa, Paula Toller, Fernanda Takai, Rita Lee. Celly deu mote, as nossas cantoras da música pop até hoje tem o mesmo padrão vocal de Celly, Excetuando-se Cássia Eller, podemos dizer que o Rock “feminino” brasileiro ainda guarda certa inocência dos anos em que a máxima rebeldia era tomar banho ao luar.
Esses dias tenho ouvido muito Celly, gosto da saudade que suas canções me fazem sentir, saudades do tempo no qual os demônios eram romântico e esse mesmo tempo parecia ser parceiro inseparável da juventude.
Celly morreu no dia 04 de março de 2003 às 12:50 h, na cidade de Campinas, vitimada por um câncer. Era terça-feira de carnaval, o país em festa quase não notou ou não quis notar que naquele dia morria uma das suas mais importantes artistas, a primeira expressão da musicalidade jovem a fazer sucesso. Vale a lembrança e o grito singelo de sua rebeldia, que ainda hoje faz sentido neste país no qual a juventude é constantemente enganada, então gritemos: “censurar ninguém se atreve!!!!”
http://edineysantana.zip.net
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…