"Unchained Melody"
De: Ediney Santana


No final dos anos de 1950 e meados de 1960 uma cantora iniciava sua carreira de forma meteórica. Cantando músicas inocentes Celly Campelo entrou para a história do Rock Brasil, mais que isso com ela o Rock Brasil começou.
Ao lado do seu irmão Tony Campelo, Celly gravou vários compactos e LPs, uma das suas interpretações memoráveis é da canção "Unchained Melody” , que faz parte da trilha sonora do filme Gost- Do outro lado da vida ( 1990) no filme a canção é interpretada Righteous Brothers.
Celly abandonou a carreira precocemente para se casar em 1962 com seu namorado de infância José Edwards Gomes Chacon, anos depois tentou retomar a carreira, mas não teve o mesmo sucesso. A mulher que começou o Rock brasileiro deixou tudo para viver no anonimato, uma vida simples, cotidiana igual a qualquer mãe de família. Contradições de uma artista que hoje podemos ouvir na voz de Gal Costa, Paula Toller, Fernanda Takai, Rita Lee. Celly deu mote, as nossas cantoras da música pop até hoje tem o mesmo padrão vocal de Celly, Excetuando-se Cássia Eller, podemos dizer que o Rock “feminino” brasileiro ainda guarda certa inocência dos anos em que a máxima rebeldia era tomar banho ao luar.
Esses dias tenho ouvido muito Celly, gosto da saudade que suas canções me fazem sentir, saudades do tempo no qual os demônios eram romântico e esse mesmo tempo parecia ser parceiro inseparável da juventude.
Celly morreu no dia 04 de março de 2003 às 12:50 h, na cidade de Campinas, vitimada por um câncer. Era terça-feira de carnaval, o país em festa quase não notou ou não quis notar que naquele dia morria uma das suas mais importantes artistas, a primeira expressão da musicalidade jovem a fazer sucesso. Vale a lembrança e o grito singelo de sua rebeldia, que ainda hoje faz sentido neste país no qual a juventude é constantemente enganada, então gritemos: “censurar ninguém se atreve!!!!”
http://edineysantana.zip.net
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys