Pular para o conteúdo principal

“Vela acesa”*
De: Ediney Santana

Em Santo Amaro( Recôncavo da Bahia) tudo ou é supervalorizado ou diminuído ao extremo. Há um certo orgulho nas coisas pequenas, como também há para muitas coisas grandes um certo descaso. Há uma padaria na cidade que exibe fotos de “grandes” santo-amarenses, sinceramente às vezes fico pensando qual a contribuição que muitos deles deixaram para nós e para a geração que cada um pertenceu. Exemplos de abraços fraternos, sorrisos sem o ardil da conveniência , exemplo de atitudes éticas e solidariedade? Na Santo Amaro cinzenta dos nossos dias estamos carentes de tais exemplos.
Mas afinal o que é ser grande? Ser um barrão do açúcar é ser grande? Ser um cantor famoso é ser grande? Fama, poder e sucesso não têm nada haver com ser grande. Pode-se ser super famoso, mas isso não garante ser alguém humanamente admirável, pode-se ser poderoso e unir o poder a exemplos de bondade e justiça, mas isso é raro.
Ser grande para mim é ser como José Silveira. Não pela medicina que ele abraçou com paixão, não pela literatura na qual mesmo sem ser, digamos escritor, não fez feio, não pelo hospital e fundação que criou, não por ser o único santo-amarense que fez elogios rasgado a Feira de Santana, jóia e orgulho do povo sertanejo.
José Silveira foi grande por reunir nele características raras no seu tempo, no tempo de seu pai (que era um tipo de comunista espiritual) e na nossa época de relações rápidas e amores fúteis. Mas afinal que características foram essas?
José Silveira foi um homem de paixões incondicionais. Devotado não a pessoa humana, mas ao gênero humano. Por isso se aventurou pelo mundo buscando conhecer esse gênero e acabou por ficar na Bahia, a Bahia foi o seu grande projeto de humanidade.
Ele não foi um gênio da medicina, sua contribuição para a humanidade não foi gestada em laboratórios, embora tenha sido um cientista e contribuído muito para o combate a mais romântica das doenças, a tuberculose. Foi um homem de respeito consigo mesmo e extremo amor as causas que defendeu, dedicado aos estudos não para glória pessoal, mas para a alegria sua de poder ajudar a quem estivesse sofrendo. Um homem apaixonado pela idéia de aliviar o sofrimento das pessoas ,tudo isso temperado com um forte sentimento de ser da humanidade e não dos humanos.
No momento em que se fala tanto em respeito às diferenças, ele (nas palavras de Jorge Amado que passaria facilmente por um alemão) nascido em uma terra negra e sofredora nos deixou um legado de dignidade e respeito.
Cuidou de quem ele procurou cruzar ou quem cruzou o seu caminho, abraçando e ajudando a todos, não foi só um homem de gabinete, era também um homem da prática, da ação.
Ter o coração aberto para o mundo e para suas criaturas é uma característica rara que só os mergulhados em uma incondicional humanidade têm.
Tive o prazer de conhecê-lo pessoalmente em sua última visita a Santo Amaro. Perguntei se seria possível tirar um foto, ele riu,disse que sim e me perguntou: “Você é filho de quem?” disse-lhe que não era daqui e que certamente ele não saberia de que família eu era. Despedi-me ele sorriu docemente, olhei para sua esposa, D. Ivone, tinha um olhar triste e cansado, dias depois ela morreu. Nunca esqueci aquele encontro com aquele grande homem sensível, tranqüilo e profundamente humano.
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net
* “Vela Acesa” é um dos livros publicado por José Silveira em 1980

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…