Pular para o conteúdo principal

Sujeitos inquietos-inesquecíveis
De: Ediney Santana

Você certamente conhece alguém que não fica quieto, vive planejando coisas e abraça tudo com uma paixão incondicional. Esse tipo de pessoa geralmente é chamado de “sonhadora” ou “romântica”
Lembro de Ernesto Guevara que não sossegava, seu espírito aventureiro o levava pelo mundo. Deixou um importante cargo no governo cubano para se aventurar nas selvas da Bolívia sonhando libertar o povo daquele país, acabou morto, mas antes disso lutou em Cuba, no continente africano e visitou quase todos os países latinos americanos. Sem falar que ainda teve tempo de se formar em medicina.
Nem todo sonhadores e espíritos inquietos ganham fama como Guevara, Martin Luther King ou Carlos Preste que se aventurou com seus camaradas em lombos de cavalo tentando salvar o país das “forças sinistras do mal”. Nem todos são como john lennon que rasgava o verbo em defesa de todas as bandeiras da sua geração, Lennon era um espírito livre.
Falo aqui dos sonhadores nossos conhecidos. Um vizinho que está sempre disposto a ajudar, um médico ou advogado que durante a semana escolhe um dia para atender gratuitamente a quem não pode pagar,um sujeito tão especial e amado o qual todos os vizinhos se reúnem em mutirão para ajudarem a construir sua casa, aquele amigo que sempre nos chama para a grande aventura de vivermos sem perdermos o tesão pelo próximo e por nós mesmos, o professor inesquecível a nos encantar com suas aulas.
Certas pessoas nascem sobre uma “luz” diferente (mas não são nem por isso são iluminadas ou escolhidas para missões de salvação da humanidade) essas pessoas tem a capacidade de provocar, de nos sacudir, de nos fazer acreditar na possibilidade de sempre darmos a volta por cima. Pessoas as quais geralmente não ganham nada por isso, não cobram para fazer palestra, não vendem suas histórias em Best Sellers de fim de ano, nem mesmo querem ou desejam ser exemplo de nada
São pessoas que fazem a diferença no mundo sem chamar atenção, inquietos e apaixonantes, amam sem esperar serem amadas, ajudam em silêncio, gente que tem o poder de transformar a vida de milhares de pessoas sem se tornarem lideres oficiais da vida de ninguém.
Não importa a cor, a nacionalidade ou credos religiosos, não importa sexo, posição social ou o nível cultural, quem faz a diferença faz por ser levado por algo difícil de se entender, mas todo mundo sente o bem danado que essas ações fazem na vida de tantas pessoas.
Lembro de um velho professor de música em Santo Amaro, Seu Luizinho da Rádio, ele dava aulas para mais de cem alunos e não cobrava nada por isso, distribuía gratuitamente todo o material de didático e a única exigência aos seus alunos era dedicação aos estudos da música e a valorização da camaradagem entre eles.
Seu Aluisio é um bom exemplo dessas pessoas inquietas, curiosas e apaixonantes. Como já disso, não é uma questão de fazer o bem pelo bem, não é uma questão de solidariedade religiosa, pelo contrario. Tudo é movido por um forte sentimento humano que transcende a individualidade, os próprios interesses pessoais, é um sentimento de coletividade na qual se sabe o quanto,no dizer de Tom Jobim , “é impossível ser feliz sozinho”.
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…