Pular para o conteúdo principal
Wilson Aragão, Anísio Teixeira e Damário Dacruz
De: Ediney Santana




O encontrei em um assentamento dos Sem Terra na cidade de Santo Amaro - Ba Estava em uma casinha simples, reclamava da falta de água, me vendeu dois CDS seus, bebemos algumas cervejas, tocamos violão e fui embora. Falo do compositor, músico e cantor Wilson Aragão.
As letras de suas canções são vigorosas, sua voz fraquinha, sua musicalidade imensa, seu amor a terra, ao homem e mulher camponeses são comoventes. Com anos de carreira gravou três discos e realizou uma recente coletânea na qual está reunida trabalho dos seus discos.
Wilson Aragão nasceu em Piritiba (Chapada Diamantina - BA) lá nos sertões. Piritiba fica perto de Mundo Novo, meu lugar de nascimento. Tenho alguns parentes por lá e me alegra as canções nostálgicas do Aragão. Todo sertanejo e meio judeu errante pelo mundo. Na música de Wilson quase tudo é saudade, quase tudo certeza de que a tristeza não é o lugar de morada do sertão.
Wilson Aragão é cantor popular, sua obra reflete a doçura de um povo em suas urgências e agonias ela vida. Escreveu em parceria com Raul Seixas a canção “Capim Guinê” o que lhe deu algum reconhecimento popularesco, mas artistas como ele é dado ao sucesso e não a fama. Certo é que ele figura entre os grandes da música popular brasileira.


Anísio Teixeira


Nas palavras de Luiz Viana Filho o Educador baiano Anísio Teixeira era um homem doce, de alma inquieta e espírito revisor. Tudo isso junto nos deu um sujeito inesquecível, um homem elegante que deixou marcas profundas na educação do Brasil.
Em sua juventude teve inclinações religiosas, quase se tornou jesuíta, era de poucas relações e muitas leituras. Aos 23 anos assumiu o cargo máximo no comando da educação da Bahia, podemos imaginar a alvoroço que isso foi. Um jovem do interior que tinha idéias avançadas e não conservadora como a Bahia de então ou como a Bahia de sempre.
Sua morte no Rio de Janeiro até hoje é motivo de controvérsias e polêmica. Certeza é que sua proposta para uma escola nova e integral buscou modernizar a educação do país e sincronizar o Brasil com mundo.



Damário Dacruz

Se um dia você for à Bahia, vá a Cachoeira, chegando lá procure o Pouso da Palavra, espaço cultural criado pelo poeta Damário Dacruz. É um lugar fantástico, prazeroso. Lá a palavra e poesia se encontram.
Cachoeira por si só já é um espetáculo, o Pouso da Palavra um lugar mágico, Damário Dacruz um empresário com alma poética e coração aberto ao mundo que circula por entre fotografias, livros discos, camisetas e muita, muita informação. Deixou abaixo um poema de Damário Dacruz que diz muito sobre ele, sobre o Pouso da Palavra e sobre Cachoeira.

Tempo reinscrito*

Que
as manhãs
nunca entardeçam.

Que
as tardes
nunca anoiteçam

Que
As noites
Nunca amanheçam iguais.

* Damário Dacruz, Re (sumo) Pouso da Palavra Edições 2008

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…