Wilson Aragão, Anísio Teixeira e Damário Dacruz
De: Ediney Santana




O encontrei em um assentamento dos Sem Terra na cidade de Santo Amaro - Ba Estava em uma casinha simples, reclamava da falta de água, me vendeu dois CDS seus, bebemos algumas cervejas, tocamos violão e fui embora. Falo do compositor, músico e cantor Wilson Aragão.
As letras de suas canções são vigorosas, sua voz fraquinha, sua musicalidade imensa, seu amor a terra, ao homem e mulher camponeses são comoventes. Com anos de carreira gravou três discos e realizou uma recente coletânea na qual está reunida trabalho dos seus discos.
Wilson Aragão nasceu em Piritiba (Chapada Diamantina - BA) lá nos sertões. Piritiba fica perto de Mundo Novo, meu lugar de nascimento. Tenho alguns parentes por lá e me alegra as canções nostálgicas do Aragão. Todo sertanejo e meio judeu errante pelo mundo. Na música de Wilson quase tudo é saudade, quase tudo certeza de que a tristeza não é o lugar de morada do sertão.
Wilson Aragão é cantor popular, sua obra reflete a doçura de um povo em suas urgências e agonias ela vida. Escreveu em parceria com Raul Seixas a canção “Capim Guinê” o que lhe deu algum reconhecimento popularesco, mas artistas como ele é dado ao sucesso e não a fama. Certo é que ele figura entre os grandes da música popular brasileira.


Anísio Teixeira


Nas palavras de Luiz Viana Filho o Educador baiano Anísio Teixeira era um homem doce, de alma inquieta e espírito revisor. Tudo isso junto nos deu um sujeito inesquecível, um homem elegante que deixou marcas profundas na educação do Brasil.
Em sua juventude teve inclinações religiosas, quase se tornou jesuíta, era de poucas relações e muitas leituras. Aos 23 anos assumiu o cargo máximo no comando da educação da Bahia, podemos imaginar a alvoroço que isso foi. Um jovem do interior que tinha idéias avançadas e não conservadora como a Bahia de então ou como a Bahia de sempre.
Sua morte no Rio de Janeiro até hoje é motivo de controvérsias e polêmica. Certeza é que sua proposta para uma escola nova e integral buscou modernizar a educação do país e sincronizar o Brasil com mundo.



Damário Dacruz

Se um dia você for à Bahia, vá a Cachoeira, chegando lá procure o Pouso da Palavra, espaço cultural criado pelo poeta Damário Dacruz. É um lugar fantástico, prazeroso. Lá a palavra e poesia se encontram.
Cachoeira por si só já é um espetáculo, o Pouso da Palavra um lugar mágico, Damário Dacruz um empresário com alma poética e coração aberto ao mundo que circula por entre fotografias, livros discos, camisetas e muita, muita informação. Deixou abaixo um poema de Damário Dacruz que diz muito sobre ele, sobre o Pouso da Palavra e sobre Cachoeira.

Tempo reinscrito*

Que
as manhãs
nunca entardeçam.

Que
as tardes
nunca anoiteçam

Que
As noites
Nunca amanheçam iguais.

* Damário Dacruz, Re (sumo) Pouso da Palavra Edições 2008

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys