Pular para o conteúdo principal

Sem meu ar condicionado não vivo. E sem sorvete de ozônio?


Thomas Midgley Jr. Era formado em engenharia, mas sempre teve uma queda pela química e para má sorte de todos nós, transformou a tal da queda pela química em profissão. Passou a inventar fórmulas com um sonho: tornar a vida de todo mundo um paraíso aqui na terra.
No ano de 1921 Thomas Midgley Jr. Trabalhava para a General Motors e tinha uma missão, resolver um problema persistente nos motores dos carros, uma trepidação irritante, o que vulgarmente chamamos de “ motor batendo”.
Depois de pesquisar Thomas Midgley Jr. Chegou a uma fórmula química chamada de Chumbo Tetraetila.Essa fórmula não acabou com a trepidação dos motores, mas a reduziu o bastante para tornar a invenção de Midgley Jr extremamente popular.
Como todo mundo sabe o Chumbo é um elemento da natureza, Midgley Jr não inventou o Chumbo, mas teve a genialidade de reinventá-lo, transformando o Chumbo em um elemento químico industrialmente viável.
O problema foi que como em um passe de mágica o Chumbo passou a fazer parte do dia dia de todo mundo. De latas de conservas para alimentos a gasolina para carros, de filtro para água a tinta para pintura de roupas e quadrados. Enfim o Chumbo Tetraetila era o deus redentor de uma humanidade ávida pela modernidade que estava se iniciando.
Muitos cientistas da época sabiam do graves problemas que o Chumbo poderia causar, mas fecharam os olhos. O Chumbo fazia a fortuna de milhares de pessoas e se uma ou outra morresse era só mera estatística. Afinal de contas o progresso não pode parar.
Fazemos aqui justiça. Clair Patterson foi um dos cientistas que não entraram nessa de lucros e silêncio comprado, botou a boca no mundo, tornou público os graves problemas que o Chumbo causava a saúde. Sua luta contra o uso indiscriminado do Chumbo levou os Estados Unidos a suspenderem a adição de chumbo na gasolina em 1986, o Brasil só fez isso em 1989. A diferença parece pouca, mas se tratando de vidas muita gente se contaminou neste período. Viva Clair Patterson que além de combater a praga do Chumbo descobriu que a Terra tem 4,5 Bilhões de anos!!!
Em 1923 nas fábricas de automóveis dos Estados Unidos o número de funcionários contaminados era alarmente. Muitos morreram, suas famílias já mais foram indenizadas. Os donos das fábricas alegaram que o Chumbo não causava problema algum a saúde e tinham o apoio de médicos, cientistas e advogados para confirmarem essa mentira.
Thomas Midgley Jr. Não parou de contribuir para o bem da humanidade e em 1920 preocupado com o gás que vinha nos refrigeradores (que era realmente muito tóxico e se vazasse poderia levar pessoas a morte) Thomas Midgley Jr pesquisou e criou o clorofluor carbonos, ou seja, CFCs.
Esses gases estão presentes até hoje em ar condicionados, geladeiras, sprays e em outras séries de produtos. Que mal vai em um dia de calor arretado entra em seu belo automóvel e ligar o ar condicionado? Há pouca coisa de errado nisso, só um probleminha, toda vez que alguém se perfuma com sprays ou utiliza o ar condicionado de sua casa ou de seu carro libera os CFCs e o resultado é simples: Esse atos de conforto herdados da modernidade ajudam a aumentar o buraco da camada de ozônio e depois disso já sabemos o que acontece. Efeito estufa, maremotos, terremotos, clima maluco. Nada que não justifique seu carrão com um delicioso ar condicionado e é claro um loira do lado devidamente perfumada com os CFCs.
Bom sujeito esse Thomas Midgley Jr, não? Ao contrário do Chumbo que ele sabia dos riscos, no caso dos CFCs ele morreu inocente.Isso porque morreu antes.
Thomas Midgley Jr ficou paralítico por causa da poliomielite e o que fez ele diante dessa tragédia particular? Correu para as barras das saias da mamãe e chorou? Tentou suicídio? Nada disso. Ele inventou um sistema mecânico que o retirava da cama e o colocava de pé, sabido esse Thomas Midgley Jr.
Em um belo dia para a humanidade e um péssimo dia para Thomas Midgley Jr, ao tentar levantar da cama o sistema que ele inventou enguiçou. As cordas que o deixava de pé enrolaram em seu pescoço o resultado foi... Estrangulamento. Thomas Midgley Jr não morreu contaminado pelo chumbo que reinventou, não morreu de câncer pelos raios ultravioletas que os CFCs deixam mais expostos na terra. Morreu enforcado em sua última invenção. Perdeu cabeça e a humanidade herdou dele duas grandes estúpidas invenções que pouco a pouco vão nos levando para extinção.
Para sua diversão indico o livro “Breve História de quase tudo” de Bill Breyson. Lá você vai encontrar Thomas Midgley Jr. E outros sujeitos fantásticos.
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…