Pular para o conteúdo principal

Manda quem corrompe mais, fica em silêncio quem não quer morrer
De: Ediney Santana

Não sei quem foi seu candidato nas últimas eleições, mas meus parabéns se o seu voto não foi dado a um legitimo representante do narcotráfico.
Os narcotraficantes têm o controle quase que total de todos os setores da sociedade. Da política à policia, de elementos da cultura à educação, de movimentos religiosos ao tráfico de seres humanos.
A imagem de bandidos encapuzados fazendo história no mundo do crime não existe mais. Os bandidos de hoje frequentam programas de TV, coluna social e suas empresas de fachadas, nas quais o dinheiro do crime é lavado, estão nos balancetes oficias de todos os níveis de governo.
Os narcotraficantes não se candidatam a cargos eletivos, financiam campanhas e compram candidatos, não gravam discos, produzem grupos de artistas, não escrevem matérias em jornais, compram jornalistas.
Os negócios do crime organizados vão muito além do que a venda de drogas ou prostituição é uma cadeia bem articulada da qual poucos elementos da vida pública conseguem escapar, é um negócio digno de um ISO. Muita gente serve sem saber ao narcotráfico, muita gente compra produtos de origem desconhecida ou não e ajuda aos narcotraficantes a lavarem dinheiro sujo, muita gente vai para cama com narcotraficantes e morre não de amor, mas chacinadas.
Conhecemos pouco sobre o crime organizado. Para falar a verdade conhecemos apenas os seus elementos mais rasteiros. Bocas de fumo em favelas abandonadas pelo poder público, policias corruptos, grupos de extermino financiados por comerciantes, jovens traficantes e suas vidas ligeiras, turismo sexual, pedofilia e tantas outras franquias do crime. Chamo esses elementos de rasteiros porque são refugos dos grandes conglomerados “empresariais" que vivem sobre o controle dos narcotraficantes. São serviçais menores, de grandes organizações criminosas que desconhecem nacionalidades, línguas, culturas, ou seja, organizações que como qualquer multinacionais querem apenas o lucro rápido e garantido, com uma diferença, suas crises econômicas são resolvidas com assassinatos de rivais e corrupção em massa nas esferas dos três poderes.
O trafico de órgão é um dos crimes mais bárbaros cometido contra seres humanos e, no entanto um dos mais lucrativos para os narcotraficantes. Um cem números de pessoas desaparecem todos os anos e muitas delas acabam sendo operadas clandestinamente e tendo seus órgãos retirados e vendidos no mercado marginal de transplantes. O tráfico de pessoas para o mercado europeu e estadunidense escraviza milhares de mulheres brasileiras todos os anos, o trafico e aluguel de armas para as mais diversas quadrilhas garantem aos agentes do crime lucros exorbitantes.
Para que todas as franquias do crime organizado funcionem bem é preciso uma rede bem orquestrada de corrupção não só no Brasil mais em qualquer país do mundo no qual os narcotraficantes desejem expandir seus negócios. Nesse ponto voltamos ao inicio da nossa conversa. Para que os “produtos” do crime circulem livres pelo mundo é necessário comprar agentes da lei, políticos, jornalistas, religiosos influentes, personalidades formadores de opinião. Feito isso o passo seguinte é organizar a grande lavanderia do crime mundial.
Para organizar uma lavanderia do crime é necessário montar empresas de fachada, fazer investimentos na bolsa de valores, contratar doleiros para enviar o dinheiro de um paraíso fiscal para o outro até ele ficar limpinho e depois para garantir o negócio mata-se todo mundo envolvido no processo. Essa parte da lavanderia do crime é muito parecida com o que os senhores de escravos faziam com seus escravos pedreiros. Depois que os escravos terminavam de construir a parte da casa na qual ficaria o cofre-forte todos eram assassinados.
Acreditar que os grandes banidos são os que todos os dias estão nas páginas policiais dos jornais é uma bobagem. Bandidos de verdade estão ao lado de celebridades em programentes de TV, não usam armas, usam laptops, frequntam camarotes nos carnavais e é claro se precisarem de um rim podem simplesmente roubar o meu ou o seu.
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…