Pular para o conteúdo principal



“É melhor cair das nuvens que cair do 3º andar"#
De: Ediney Santana


“Alice no país das maravilhas” foi escrito por Charles Lutwidge Dodson em 1864 a pedido de sua irmã Alice Pleasance Liddell que na época tinha apenas dez anos e adorava as histórias que o irmão contava.
“Maravilhoso feiticeiro de Oz” foi escrito por Lyman Frank Baum. Em maio de 1900. O Mágico de Oz, como é mais conhecido, conta às aventuras da pequena Dorothy por um mundo de máximo realismo.
As duas heroínas das histórias, Alice e Dorathy, têm muito em comum. As duas vivem de maneira rotineira, presas a uma realidade sem muita possibilidade de mudança, atadas a previsibilidade de cada dia.
Há um diálogo não intencional entre as duas histórias (observemos a época na qual foram escritas) Há muitas semelhanças entre Alice Dorathy e a vida de cada uma. Para fugir da repetição do dia dia tanto Alice como Dorathy usam a I.M.A.G.I.N.A.Ç.Ã.O e a C.R.I.A.T.I.V.I.D.A.D.E.
Alice cria para si uma realidade lúdica. Ao cair em um buraco encontra um novo mundo, cheio de seres fantástico que mudam radicalmente a percepção da realidade a qual ela vivia.
Dorathy e levada por um vendaval para o mundo de Oz e lá encontra uma realidade totalmente diferente da sua. Um mundo de seres encantados, bruxas más e um mágico poderoso.
O mundo de OZ e o País das Maravilhas só existem na imaginação de cada uma das meninas, mas é esse poder inventivo, de criar e inovar o que nos interessa neste momento.
Apenas aceitando a "realidade" não podemos vencer o mundo rotineiro que aí está. (Isso simplesmente porque a realidade que enfrentamos no dia dia não foi criada por nós,ao contrário , nos é imposta das mais notáveis maneiras) No entanto a natureza nos armou com uma arma poderosíssima: a capacidade de inventar,criar e destruir. Durante anos a humanidade inventou suas fugas e cada um de nós tem essa capacidade criativa de fazer surgir de mundos rotineiros outros mundos cheios de desafios. Não são os desafios que podem nos vencer, ou nos destruir. O que pode devastar nossa capacidade de criar é a rotina.
Os mitos, as crenças e as lendas são maneiras ou formas de fugas da rotina, da repetição das emoções, de certa forma um alento para perdermos o medo estabelecido.
A fuga sugerida em o Mágico de Oz e em Alice no País das Maravilhas nada tem de covardia. Imaginar, provocar, buscar uma nova realidade é também desafiar e enfrentar a rotina, repetição, previsibilidade, a padronização dos sonhos e crenças.
Lembra das histórias infantis que ouvíamos na escola? Dos desenhos animados? O que todas tinham em comum? Todas buscavam despertar em nós a imaginação e a criatividade. Despertar e preservar em nós a capacidade de nos reinventarmos a cada dia, de olharmos o mundo com múltiplas leituras e perspectivas.
Por que hoje, já adultos, quando falamos das grandezas da vida que queremos para nós, sempre somos chamados de sonhadores, acusados de vivermos fora da realidade? Porque o mundo adulto é o mundo da castração, da competição, do consumismo, das necessidades criadas para nós e não do que realmente necessitamos. No mundo adulto não há espaço, dizem, para quem sonha.
Mas acredite, é melhor sonhar acordado que dormindo. Foi o sonho que nos fez inventar aviões, garfos e talheres, computador e goma de mascar. Foi a criatividade que nos levou a transformar o milho em pipoca, a carroça em carro.
Assim como Alice e Dorathy um dia ao voltarmos para casa, depois de muitas descobertas notamos que nem os que deixamos e nem nós, somos mais os mesmos... E que valeu a pena ter realmente vivido!!!
ediney-santana@bol.com.br
htt://edineysantana.zip.net
# O títulos desse texto é uma frase de Machado de Assis

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…