Pular para o conteúdo principal



“É melhor cair das nuvens que cair do 3º andar"#
De: Ediney Santana


“Alice no país das maravilhas” foi escrito por Charles Lutwidge Dodson em 1864 a pedido de sua irmã Alice Pleasance Liddell que na época tinha apenas dez anos e adorava as histórias que o irmão contava.
“Maravilhoso feiticeiro de Oz” foi escrito por Lyman Frank Baum. Em maio de 1900. O Mágico de Oz, como é mais conhecido, conta às aventuras da pequena Dorothy por um mundo de máximo realismo.
As duas heroínas das histórias, Alice e Dorathy, têm muito em comum. As duas vivem de maneira rotineira, presas a uma realidade sem muita possibilidade de mudança, atadas a previsibilidade de cada dia.
Há um diálogo não intencional entre as duas histórias (observemos a época na qual foram escritas) Há muitas semelhanças entre Alice Dorathy e a vida de cada uma. Para fugir da repetição do dia dia tanto Alice como Dorathy usam a I.M.A.G.I.N.A.Ç.Ã.O e a C.R.I.A.T.I.V.I.D.A.D.E.
Alice cria para si uma realidade lúdica. Ao cair em um buraco encontra um novo mundo, cheio de seres fantástico que mudam radicalmente a percepção da realidade a qual ela vivia.
Dorathy e levada por um vendaval para o mundo de Oz e lá encontra uma realidade totalmente diferente da sua. Um mundo de seres encantados, bruxas más e um mágico poderoso.
O mundo de OZ e o País das Maravilhas só existem na imaginação de cada uma das meninas, mas é esse poder inventivo, de criar e inovar o que nos interessa neste momento.
Apenas aceitando a "realidade" não podemos vencer o mundo rotineiro que aí está. (Isso simplesmente porque a realidade que enfrentamos no dia dia não foi criada por nós,ao contrário , nos é imposta das mais notáveis maneiras) No entanto a natureza nos armou com uma arma poderosíssima: a capacidade de inventar,criar e destruir. Durante anos a humanidade inventou suas fugas e cada um de nós tem essa capacidade criativa de fazer surgir de mundos rotineiros outros mundos cheios de desafios. Não são os desafios que podem nos vencer, ou nos destruir. O que pode devastar nossa capacidade de criar é a rotina.
Os mitos, as crenças e as lendas são maneiras ou formas de fugas da rotina, da repetição das emoções, de certa forma um alento para perdermos o medo estabelecido.
A fuga sugerida em o Mágico de Oz e em Alice no País das Maravilhas nada tem de covardia. Imaginar, provocar, buscar uma nova realidade é também desafiar e enfrentar a rotina, repetição, previsibilidade, a padronização dos sonhos e crenças.
Lembra das histórias infantis que ouvíamos na escola? Dos desenhos animados? O que todas tinham em comum? Todas buscavam despertar em nós a imaginação e a criatividade. Despertar e preservar em nós a capacidade de nos reinventarmos a cada dia, de olharmos o mundo com múltiplas leituras e perspectivas.
Por que hoje, já adultos, quando falamos das grandezas da vida que queremos para nós, sempre somos chamados de sonhadores, acusados de vivermos fora da realidade? Porque o mundo adulto é o mundo da castração, da competição, do consumismo, das necessidades criadas para nós e não do que realmente necessitamos. No mundo adulto não há espaço, dizem, para quem sonha.
Mas acredite, é melhor sonhar acordado que dormindo. Foi o sonho que nos fez inventar aviões, garfos e talheres, computador e goma de mascar. Foi a criatividade que nos levou a transformar o milho em pipoca, a carroça em carro.
Assim como Alice e Dorathy um dia ao voltarmos para casa, depois de muitas descobertas notamos que nem os que deixamos e nem nós, somos mais os mesmos... E que valeu a pena ter realmente vivido!!!
ediney-santana@bol.com.br
htt://edineysantana.zip.net
# O títulos desse texto é uma frase de Machado de Assis

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…