Pular para o conteúdo principal

Baader-Meinhof













A R.A.F (Facção Exército Vermelho) foi um grupo amarmado de estrema esquerda que atuo na Alemanha entre 1960 à 1972. Ganhou o apelido de Baader-Meinhof quando a jornalista ligada a esquerda alemã Ulrike Meinhof ajudou a Andreas Baader a escapar da polícia.
Andreas Baader foi um dos fundadores da R.A.F. O grupo teve origem no movimento estudantil universitário dos anos de 1960. A Alemanha daquele momento não se ressentia do seu passado nazista, além disso, os estudantes alemães cobravam do Estado posicionamentos mais claros em questões como: guerra do Vietnam, a miséria nos chamados países do terceiro mundo e o armamento nuclear, sem falar na própria exclusão do pós-guerra de muitos alemães.
Uma parte dos estudantes identificavam no novo Estado Alemão pó-guerra, traços do Estado nazista, entre esse estudantes estavam os fundadores do Baader Meinhof. Inicialmente os debates ficavam restritos a discussões em universidades, mas logo evoluíram para manifestações públicas e confrontos com a polícia.
O dia seguinte da quebra do que é direito, ou melhor, a quebra das garantias institucionais são atos de violência. Seguindo essa lógica Andreas Baader, Ulrike Meinhof, Gudrun Ensslin responderam à violência do Estado Alemão com mais violência. Segundo Ulrike Meinhof a única maneira de combater a violência era com violência e assim o fizeram.
Entre 1970 e 1972 o Baader-Meinhof realizou uma série de atentados contra o Estado Alemão. A reação do Governo foi rápida e dura, conseguindo prender os principais membros do grupo. O governo mandou construir uma prisão de segurança máxima, a Stammheim, só para prender os membros do Baader – Meinhof.
Em 1976 Ulrik Meinhof foi encontrada morta em sua sela, causa morte segundo as autoridades alemãs: enforcamento.
Em 1977 Baader e Rasper (outro membro do grupo) foram encontrados mortos dentro da sela. O governo alegou suicídio.
Irmagard Moller ( outra integrante do grupo) segundo o governo, tentou suicídio cortando os pulsos e as veias do pescoço.Ela sobreviveu e em 1994 foi libertada da prisão.
O Baader-Meinhof tinha a luta justa, as causas justas, mas utilizou os métodos errados. Em paralelo com o Brasil, se o movimento estudantil daqui tivesse a mesma inspiração do Alemão já teríamos inúmeros grupos armados. Mas no Brasil há grupos de traficantes, narcotraficantes e contrabandistas protegidos e armados com a ajuda de alguns agentes do Estado os quais utilizam nossas instituições como bem entendem.
A Segregação das pessoas que vivem nas favelas, por exemplo, nos morros do Rio de Janeiros milhões de pessoas vivem reféns de pouco mais de cinco mil bandidos e policias corruptos. Mesmo os traficantes dos morros do Rio de Janeiro são bandidos menores e insignificantes se comparados os verdadeiros senhores do crime organizado mundial que apenas utilizam os morros cariocas, os bordeis para a elite financeira, o tráfico de órgãos e armas como franquias “empresariais” desse gigantesco impedimento criminosos que gera bilhões de dólares e euros por ano.
Claro que não defendo a luta armada, mas bem que a UNE e todas outras agremiações estudantis deveriam sair dos seus dcs , ongs e colocar na ordem do dia um discurso mais prático, mais duro contra a bandidagem institucional que é a mantedora da bandidagem sem face ou mandato que age livremente em todo o país.
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…