Pular para o conteúdo principal

Em nosso mundinho há estrelas cometas

















Nascemos em uma pequena cidade da Chapada Diamantina, Mundo Novo, na Bahia. Como meus bisavôs, avós e avôs, tios e tias e muitos primos e primas, minha mãe era analfabeta. Meu pai também não sabia ler nem escrever, mas por um gesto de solidariedade seu e de minha mãe conseguiu em 1976 um emprego na Rede Ferroviária. Antes meu pai trabalhava na lavoura, no campo.
Com o emprego saímos de Mundo Novo para Santo Amaro no Recôncavo baiano. Meu pai, minha mãe é eu.
Cidade distante da nossa, sem um conhecido se quer. O que aliviava a solidão era o fato de muitos colegas do sertão que trabalhavam na ferrovia também foram transferidos para Santo Amaro quando a linha da “grota”, como era chamado o setor norte da ferrovia no sertão, foi fechada.
Meu pai morreu aos 42 anos de diabetes, eu tinha 16 anos e mais dois irmãos menores.
Antes disso eu, meu pai e minha mãe tínhamos uma barraquinha na qual vendíamos cigarros, geladinho e cocadas.
Meu pai era doce e gentil comigo, mas descuidava da formação formal, formação que nem ele e nem minha mãe tiveram. Mas por algum motivo minha mãe cobrava de mim resultados bons na escola.
Perto da nossa barraquinha havia uma banca de revista (até hoje está lá) minha mãe me dava dinheiro para comprar revistas, em especial as de Mauricio de Souza, e de tanto ficar por lá o dono me chamou para vender jornais. Revicoque, é o dono da banca de revista, foi uma pessoa importante na minha formação em leitura, podia ler todas aquelas revistas e jornais sem pagar nada, antes de trabalhar lá e depois que sair ele me deixava ler tudo.
Acordava às 4:00h ou 05:00 da manhã e ia,com apenas 14 anos de idade vender jornais. Não era trabalho infantil, na concepção de minha mãe e meu pai era um maneira mais útil e prática de educação.
Trabalhei muito na infância, mas os livros sempre estiveram por perto, os livros chegavam pela boa vontade de minha mãe, que mesmo sem nunca ter lido um sabia da importância deles em casa.
Não fui um aluno brilhante, fui medíocre, tinha problemas de aprendizado e repetir o ano várias vezes. Minha mãe fazia o que podia comigo.
Anos depois a Universidade Estadual de Feira de Santana abriu um campus em Santo Amaro, minha mãe praticamente me obrigou a prestar vestibular. Fiz a fui aprovado. Mas não foi fácil, minhas deficiências eram terríveis.
No dia da primeira prova, choveu muito em Santo Amaro,( era um dia de domingo a cidade estava em festa pela padroeira) o telhado da nossa casa desabou, gritei para minha mãe que não iria no dia seguinte fazer mais prova alguma,. Obviamente ela me obrigou a ir.
Estudei letras, publiquei livros, quatro ao total. Estou alfabetizando minha mãe, ela é um pouco preguiçosa, mas vai bem.
Quando Wagner ganhou a eleição fui escolhido para ser coordenador de educação na minha cidade. Recentemente fui Secretário da Educação do município de Santo Amaro. Então tenho um anjo da guarda de carne e osso, minha mãe.
Soube ser mãe, amiga, entender minhas biritas, minha idéias de menino maluquinho inventado não por Ziraldo, mas por ela e meu pai, minhas dificuldades de aprendizado... Somos felizes. Decididamente somos felizes.
ediney-santana.@bol.com.br
HTTP://edineysantana.zip.net
A foto acima é da estação ferroviária da Barra em Mundo Novo em 1956

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…