Pular para o conteúdo principal

Farinha pouca, meu diploma primeiro



Em artigo publicado na revista “Fale! Brasília” (nº1/09) o sociólogo Carlos Henrique Araújo aborda uma questão que a muito vem atormentando os estudiosos da educação. A questão é a busca pelo diploma sem necessariamente busca o conhecimento.
Defende Araújo que diploma e conhecimento não são sinônimos e que no Brasil ama-se o diploma e não o conhecimento. É lamentável dizer, mas Araújo está certo.
Como professor sei da febre que é a busca pelo diploma, seja de bacharel , licenciatura ou ainda uma “pós” qualquer coisa. Nos concursos públicos, por exemplo, isso fica claro, muita gente é aprovada na prova objetiva, mas acaba sendo reprovada na famigerada prova de títulos que conferem mais valor ao diploma que ao conhecimento.
O diploma deveria ser a coração pela obtenção de uma série de conhecimentos conquistados, mas o conhecimento é colocado em segundo plano. Todos os anos milhares de pessoas se formam, mesmo sendo analfabetos na profissão que escolheram. Mal conseguem aprovação em um simples exame de classe como o da OAB, por exemplo.
Vivemos em uma época de comunicação, mas não de conhecimento, se é frenético na busca por informação, mas engole-se tudo sem ao menos pensar se tais informações são úteis ou não.
Não se argumenta, palpita-se, não se reflete, bravateia-se sobre argumentos e idéias falsas e o pior forma-se opiniões que serão reproduzidas como conhecimento. O diploma é status o conhecimento nem sempre, o diploma pode ser comprado na esquina com direito a beca e baile de formatura o conhecimento não.
Infelizmente a educação no Brasil é tratada com políticas públicas equivocadas, como as das cotas, por exemplo. Façam-se gambiarras educacionais, não há uma profunda reflexão sobre a educação seja ele pública ou não. Ao menos essa reflexão não gera fora das universidades nenhum debate público.
Há um obvio problema de sistema educacional gerenciados por burocratas e não por pessoas que vivem a educação em todas as suas nuances. O problema não são as cotas, o problema é que essa política faz um recorte no problema e esquece que a educação é uma só e não de um grupo social. Não há boa vontade para uma reforma real nas bases educacionais, no lugar disso prefere-se as gambiarras. E vamos todos de mãos atadas, mas queiramos ou não construindo também nossas gambiarras.
www.edineysantana.zip.net
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…