Pular para o conteúdo principal

O vermelho da vergonha



Todo mundo sabe que sou militante do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) em Santo Amaro-BA, todo mundo também sabe que a cor dos Comunistas é vermelha. O vermelho Comunista é de paixão pela vida, pelas causas sociais, por uma humanidade fraterna, para o bem coletivo acima do individual.
Em Santo Amaro desde janeiro de 2009 o prefeito eleito tem pintado escolas, prédios públicos, praças, jardins, pontes, monumentos e carros da prefeitura de vermelho. Ao contrário do vermelho Comunista o vermelho da prefeitura e do prefeito é o vermelho da vergonha, da humilhação de um povo, da morte lenta de uma cultura importantíssima.
Pintam-se as escolas, mas humilham-se os professores, em especial os contratados, que não estão recebendo em dias seus vencimentos, pinta-se de vermelho um hospital particular enquanto a Santa Casa, que é um hospital filantrópico, padece e morrer.
Todas às vezes que saio às ruas e vejo a cor vermelha da prefeitura penso em al Capone e na Coosanostra. Tenho medo dessa gente estranha que não fala a língua do povo daqui, dessa gente que não tem em si sentimento algum. Não há humanidade em quem chora em público e depois se tranca no banheiro para se deliciar com coca-cola.
Gente cretina que utiliza de difamação, calunia, perseguições para vencer adversários, gente que não sabe o sentido da vida, pois também não vivem, são como vermes sugadores do sangue do povo.
Por outro lado há os que riem com tudo isso. São os servidores efetivos que não sentem a dor dos seus colegas contratados, (são os próprios contratados que não se rebelam) são os que se dizem contra a tudo isso mas esperam ansiosos o convite para a grande festa do crime organizado, são alguns famigerados vereadores liderados por um presidente inexpressivo que riem e brincam com a vida de tanta gente. Enquanto morremos, ficamos sem empregos, enquanto somos vitimas de todo tipo de violência eles em uma fazenda em Itapema se divertem passeando de Jet esqui e na balada do whisky podre e maldito por ser comprado com o suor dolorido e honesto do nosso povo.
Não posso pedir a Deus que nos salve, pois essa gente vive em procissão, vão à missa aos domingos, em terreiros de candomblé, em centros espíritas... Bem faz eu que sinto minha dor humana sozinho. Espero que exista o inferno cristão que eles tanto dizem temer, espero que vivam penando pela eternidade no lago de fogo e enxofre.
Digo a você meu irmão, minha irmã que assim como eu não tem plano de saúde, que assim como eu estudou em escola pública, que assim como eu depende da policia para ter segurança, que assim como eu está ou tem alguém na família sem emprego ou doente... Não se deixe abater e nem se deixe cativar pelas raposas que de nós só querem o passaporte para os seus sonhos mais promíscuos.
Vermelho, cor linda, cor da vida sendo maculada por homens e mulheres articulados com o mal, com a dor, com o sadismo de nossa gente penando. Não sejam covardes, revelem-se, retirem às mascaras, saiam das sombras, não se escondam atrás dos seus soldados tão vazios quantos vocês.
Na vida, na força, na calma, na raiva, na beleza... Santo Amaro da Purificação um dia vai vencer... Um dia vai ser uma cidade feliz... Sem o vermelho da vergonha, mas com o vermelho da paixão pela vida.
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net
A obra que ilustra esse artigo de Picasso, titulo: Mural de Guernica

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…