Pular para o conteúdo principal

Pedagogia da Esperança


Há muito tempo na Ucrânia nascia Anton Semionovich Makarenko, Aos 17 danos de idade já era professor e embalado pelas ideias de Máximo Gorki e Lênin moldou todo um sistema educacional voltado para a formação efetiva de cidadãos e cidadãs.
Sua prática pedagógica foi executada com êxito quando ele dirigiu um colégio interno que abrigava menores infratores. Baseada na autogestão e na democracia-disciplinada Makarenko provou que uma educação voltada para a formação política, cultural e bem comum de toda a sociedade é possível.
Nos nossos dias vivenciamos belos tratados pedagógico que na prática são poucos úteis. As salas de aula estão repletas de vícios fabricados pela máquina da padronização de sentimentos. A grande pedagogia do cinismo ensina aos nossos alunos que não há utopias possíveis e que a vida se encerra na realização individual, ou seja, o que acontece com o outro não é do interesse de ninguém.
O movimento negro defende apaixonadamente a cota racial nas universidades, mas não tem coragem de empunhar a bandeira para uma revisão profunda em todo sistema educacional do país. Prefere o discurso equivocado da “reparação” racial. Não há reparação alguma porque o jogo social com cota ou sem cota vai continuar o mesmo excludente e pervertido.
Os sucessivos governos arrebentaram com a educação pública e o governo Lula não quer reformar a educação apenas cria mais e mais universidades e apoia às cotas com universal solução para o flagelo da educação pública. Continuamos a empurrar o lixo para de baixo do tapete. O Brasil continua não tendo coragem de encara-se de frente.
Quando as cotas forem plenamente efetivadas no país e negros, pobres, ciganos enfim todos que dela se beneficiarem chegarem à universidade, simplesmente essa universidade pública não vai valer mais nada, pois não é de agora que ela vem sendo destruída, não por acaso o governo financia estudantes em instituições particulares, em uma clara e criminosa transferência de dinheiro público para a iniciativa privada da educação. É o país das gambiarras e não do enfrentamento sério e direto a questões como a educação pública de qualidade e garantia desse direito.
Infelizmente o Brasil é um país gueto, cada um cuidando do seu país individual, um país repleto de interesseiros, com poucas cidadãs ou cidadãos, por isso os programentes sociais de todos os governos sempre fizeram tanto sucesso em manter na miséria os miseráveis e na pobreza os empobrecidos.
Makarenko teve a grandeza pedagógica em não olhar para os seus alunos como se eles fossem coisas ou cobaias pedagógicas para a obtenção de pós-graduação ou manutenção de um regime político. Sala de aula não é laboratório, é lugar no qual a cidadania é praticada e exercida plenamente.
Você não é desempregado por não ter formação, você é desempregado porque o país não fez nada para garantir seu direito a uma educação integral e de qualidade, não foi aprovado no vestibular porque é negro ou pobre, foi o Estado que desmantelou a educação pública e elitizou a educação superior.
Creio que as ideias de Makarenko são validas nos dias de hoje no qual o governo utiliza o eufemismo ENEM para retirar da palavra VESTIBULAR a carga negativa que tem. Em todo caso... Paulo Freire um dia disse que o caminho se faz ao caminharmos, então vamos.
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net

A obra que ilustra esse artigo é de HILDE WEBER, sem titulo.

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…