Pular para o conteúdo principal

Sonho meu, sonho meu...



Sei que dia menos dia vou ter que ir embora de Santo Amaro, minha vida profissional aqui está encerrada. Como os antigos comunistas, sou empurrado para o ostracismo pela direita fascista e desprezado pela esquerda vendida.
O que mais temia vai acontecer: viver na frieza de uma grande cidade qualquer, cidade sem rosto, cultura ou vida definida. Cidade grande é igual à falta de sensibilidade.
Tenho apesar disso tudo uma utopia, uma utopia antiga que me parece ser minha universal missão: construir a Fundação cultural “Seu” Diva. “Seu” Diva era o apelido carinhoso de Edvaldo Joaquim da Silva, meu pai.
A idéia é comprar em uma mesma rua quatro ou cinco casas, demoli-las e no lugar erguer um grande casarão inspirado no séc XVIII. A Fundação deve atuar na formação e incentivo de artistas plásticos, músicos, escritores e dançarinos. Tudo isso pautado em um sólido projeto pedagógico que deve ter em sua essência e paixão o seguinte: não viver só para si, fraternidade e a busca permanente da melhoria permanente das realações entre todas as camadas sociais.
A Fundação em hipótese alguma deve aceitar em momento algum verbas públicas ou buscar recursos financeiros em fundos públicos de cultura. Os recursos devem vir da venda de livros, CDS, eventos e promoções da própria Fundação ou de empresas privadas que queiram ser parceiras do projeto.
A Fundação não vai adotar em hipótese alguma sistemas de exclusão como cotas ou condição social de qualquer pessoa para que ela possa participar da Fundação, mas deve atuar fortemente em áreas nos quais pessoas estejam em risco social.
Passos que devem ser seguidos pela Fundação “Seu” Diva:

1-Não aceitar dinheiro público, nem ter em seus quadros administrativos nenhuma pessoa que tenha mandato político.

2-Adotar a pedagogia da felicidade, ou seja, não viver só para si, ser solidário a qualquer pessoa não importando cor, raça, posição política, cultural ou religiosa.

3- A Fundação é laica

4- A Fundação é apolítica e em hipótese algum deve se envolver em questões políticas partidárias. Salvo se houver a quebra da ordem pública ou a negação de direitos constitucionais, civis ou humanos.

5-A Fundação deve manter em seu acervo obras de diversos artistas plásticos contemporâneos.

6- Uma vez por ano todos os membros da Fundação, professores, diretores e estudantes devem ir a Mundo Novo-BA e outras cidades da Chapada Diamantina. Ter contato com outros povos, outras culturas além de ajudar no conhecimento interior, serve como lição prática de humanismo.

7- A Fundação em suas oficinas deve utilizar temas transversais como: meio ambiente, medicina alternativa, filosofia, sociologia etc.

8- A Fundação vai criar e manter um monumento em memória a todas às vitimas de contaminação por chumbo na cidade. Bem como outro monumento em homenagem aos povos indígenas que aqui viveram e ao povo negro que ajudou na construção social e cultural da cidade.

9- no quadro diretivo da Fundação deve sempre ter ao menos uma pessoa da minha família desde que tenha formação cultural ou administrativa para isso.

10- Os estudantes que estudarão nos curso livres da Fundação permanecerão por um tempo de um seis meses, salvo os que participarem da orquestra de câmara que ficarão o tempo o qual o maestro responsável definir. A orquestra deve o ter o nome do professor Luizinho da Rádio.( ver o nome correto dele)

11- A Fundação também vai atuar na inclusão digital


Tudo que está escrito acima é o esboço do meu desejo, da minha utopia pessoal, e a sua qual é?
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net
A obra que ilustra esse artigo é de Roberto Magalhães, titulo: Carro de Saturno, ano 1979

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…