A depressão

A depressão lentamente vai apagando do dia dia o lúdico da vida, mata a pluralidade dos sentimentos, tudo vai ficando monocromático, a vida vai seguindo em linha reta sem nenhuma contradição. A insegurança vai aos poucos matando toda e qualquer perspectiva de felicidade, os desejos vão morrendo, a vida passa a ser a ausência e distanciamento.
A depressão não é o mesmo que está triste, uma simples tristeza não pode ser confundida com um estado depressivo. Há atitudes depressivas que são difíceis de notarmos, alguém pode aparentemente está muito feliz, mas os traços de felicidade apresentados podem esconder um sentimento de depressivo.
Há pessoas que sentem desejo quase incontrolável por sexo, pessoas que comem sem para ou que se recusam a andar pelas ruas, gente que vai aos poucos se isolando, gente que bebe todos os dias e aparentemente faz da vida uma festa, enfim são muitos os sintomas depressivos e nem sempre fáceis de notarmos.
Os poetas árcades inventaram a fuga para o campo, os românticos para a infância, os Punks negaram a sociedade de consumo, os hippes viviam isolados em comunidades alternativas, os góticos se escondem nas sombras pela busca da paz que na rotina do dia não se encontra. Hoje os EMOs reinventam o romantismo e negam de certa forma a futilidades nos relacionamentos contemporâneos.
Todos os movimentos que citei acima têm algo em comum, todos buscaram a idealização de um lugar, de sentimentos, todos também expõem o desassossego que acompanha nossa jornada pela vida, todos criaram para si um mundo no qual a depressão não faz parte, um mundo no qual todos os sonhos são possíveis, um mundo sem frustrações, um mundo sem depressão. Quando essa fuga não acontece da maneira idealizada pode-se abrir perigosamente a porta para depressão.
A depressão deve ser encarada como é: uma doença e ignorar isso é perigoso. Não se pode tratar a depressão como algo simples e passageiro, não é. Deve ser tratada com a ajuda de psicólogos e psiquiatras.
A depressão é uma "contravenção" emocional e ao que parece nos dias de hoje é ela nosso maior mal, parece ser o par perfeito para esse mundo de agora erguido sobre os escombros da nossa humanidade.
Paz, calma e há sempre um caminho a ser escrito... Alegria sincera! Buscar ajuda sempre!!!
ediney-santana@bol.com.br
HTTP://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys