Pular para o conteúdo principal

“Flor da Memória”


Gravado ao vivo no Teatro XVIII no Pelourinho, o CD “Tempos quase modernos” de Roberto Mendes é um requiem para esse final melancólico dos anos 2000.
A expectativa com a chegada do ano 2000 foi enorme, disseram que com ele chegaria o fim do mundo ou que seriamos invadidos por marcianos ou até mesmo que Cristo voltaria e nos salvaria de todos os males. Fazer viagens por outros países seria como ir até Ana do Acarajé e comer os seus quitutes que são os melhores do mundo.
Nada disso aconteceu. Os anos 2000 se mostraram chatos, insossos e perigosos.
Para fugirmos desse lixo sombrio mergulhamos na “Flor da Mamária” e começamos a cantar “ história que não cantam mais”. Saudade de algo indefinido e que nos dói tanto e não sabemos o porquê.
A voz de Roberto Mendes é lírica, levemente romântica e por si só nos lança em uma “Saudade do Futuro”, pois se é impossível recuarmos para o ontem só nos resta buscarmos o futuro. Fuga romântica, desassossego no presente quase moderno.
E nesse fim de década “qual o assunto que mais lhe interessa?” o fim das crenças? O medo de um novo amor que se revela cadeia, mordaça, silêncio e punição? Seja lá como for o CD “Tempos quase modernos” é melancólico por refletir a poeira sobre o tempo dos nossos sonhos. Esse CD é um momento muito especial da música, poesia e sinceridade artística para um presente escombro e vazio de certezas.
Talvez a saída esteja na estrada de ferro Bragança-Belém.Bragança-Belém é titulo de uma das canções mais bonitas do CD. Esqueça a modernidade, a pós-medernidade. Esqueça, somos nada além de quase modernos, viventes na nossa Idade Media com suas inquisições e pesadelos espirituais.
No CD “Tempos quase modernos” há certo alento para a dureza poética que nos é sofrível nesses dias indefinidos.
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net
A obra que ilustra este artigo é de Dennis Esteves

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…