Pular para o conteúdo principal

Guerra do Paraguai


Todos nós já “estudamos” na escola a Guerra do Paraguai ocorrida entre 1864- 1870, além do Paraguai a guerra envolveu o Brasil Império, Argentina e o Uruguai. Neste período o Paraguai era o mais sólido e independente dos países latinos, sua economia era equilibrada, não havia analfabetos no país e, além disso, o Paraguai não se submetia ao controle externo inglês. Esses fatos despertaram a ira da Inglaterra que indiretamente controlava a economia da região.
Para “frear” o Paraguai a Inglaterra armou os três países citados e incentivou um dos maiores genocídios conhecidos da história da América Latina. O Brasil, Argentina e Uruguai foram usados pela Inglaterra para assegurar sua hegemonia na região e para isso era necessário destruir o Paraguai e isso foi feito.
Ao termino do conflito o Paraguai teve sua população reduzida em 75%,sendo que desse total 96% dos homens foram mortos e 27% das mulheres foram também exterminadas. Esses números dão uma ideia do tamanho da barbárie ocorrida no Paraguai.
Julio José Chiavenatto em seu livro “Genocídio Americano: a Guerra do Paraguai” faz um estudo sério e profundo desse episódio sombrio da história Latino Americana. O livro ainda nos revela um personagem obscuro e carniceiro chamado Conde D’Eu (genro de D. Pedro II , casado com a princesa Isabel ). Em um dos episódios protagonizados por ele, mandou incendiar o hospital Peribabuy deixando trancados dentro velhos e crianças.
O Conde D’Eu também é protagonista de uma cena horrível acontecida na batalha de Acosta Ñu na qual 3.500 crianças (transformadas em soldados pelo governo Paraguaio) foram mortas pelas tropas lideradas pelo Conde D’Eu, que tinha sobre seu comando durante aquela batalha 25 mil soldados.
As crianças de Acosta Ñu tinham entre seis e quinze anos, muitas se agarravam nas pernas dos soldados e pediam para não morrer em resposta eram degoladas sem piedade pelos soldados brasileiros. Quando terminou a batalha o conde D’Eu mandou queimar vivas as crianças sobreviventes juntamente com suas mães.
A baralha de Acosta Ñu aconteceu no dia 16 de agosto de 1869, Julio José Chiavenatto conta em seus livro que o historiador paraguaio Andrés Aguirre quer que a OEA estabeleça o dia 16 de agosto como o “dia del nino” ou dia da Criança na América.
Depois da guerra o Paraguai estava destruído e até hoje enfrenta as consequência daquele genocídio. O Brasil, o Uruguai e a Argentina mergulharam em uma grave crise financeira tendo como credor a Inglaterra, única vencedora da guerra sem disparar um só tiro. Logo depois do fim do conflito a monarquia do Brasil perdeu seu reinado e com certeza o envolvimento do país na guerra acelerou a luta pela república.
O Paraguai ainda teve seu território drasticamente reduzido, uma parte importante dele foi roubado pelos países envolvidos na guerra. Para termos uma ideia, a terra roubada do Paraguai se somada fica maior que juntando Portugal e a Dinamarca.
Hoje não raro o Paraguai é visto com uma terra sem lei, no qual reinam traficantes e contrabandista e até grupos terroristas. Nada mais cruel e mentiroso. O Brasil, Argentina e o Uruguai não foram tão somente manipulados pela Inglaterra, foram cúmplices, queriam tirar proveito da guerra, infelizmente hoje muitos brasileiros olham para o Paraguai com preconceitos ou pior, o Brasil se olha como se não fosse parte da América Latina ou do continente  americano.
livrosdeedineysantana.blogspot.com
http://edineysantana.zip.net
A obra que ilustra esse artigo é de Pedro Américo, titulo: Batalha do Avahy

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…