Lula: o poderoso chefão


Lula nunca foi socialista ou comunista, nem de esquerda alguma. Lula sempre foi Lula, mas depois do fim da ditadura militar e um saldo de tantas mortes a esquerda brasileira necessitava de um líder, de uma nova referência. Esse líder tinha em Lula tudo que a esquerda de gabinete queria: carisma, atitude, populismo e poder de convencimento junto às massas, qualidades que na esquerda brasileira nunca houve.
Então todas as apostas foram feitas em Lula. Jovem, sem erros nem acertos no passado e com uma história prontinha para ser usada em um discurso que poderia se misturar auto-ajuda com política.
Os ideólogos da esquerda achavam Lula o nome perfeito, não só para reerguer a esquerda, mais que isso, Lula seria transformado em um símbolo de um novo partido: o PT. Esse novo partido deveria fazer frente a todos os outros partidos de direita e esmagar ou controlar os de esquerda.
Tudo ia bem, Lula se tornou em um grande líder no ABC paulista e logo em todo país, foi presidente da poderosa CUT e também deputado federal constituinte, perdeu três eleições para presidente, mas conseguir se eleger em dois mandatos consecutivos.
Lula sempre foi visto pela direita como um idiota, parte da esquerda o via como um deus redentor dos fracos e oprimidos, a outra parte o tinha com um líder carismático, mas manipulável por ser um homem simples e sem estudo formal. Nesse ponto tudo começou a ir mal tanto para a esquerda quanto para a direita.
Lula não era e não é um idiota, nunca foi manipulável ou um deus. Lula era e é um poderoso líder, que tinha e tem um poder imenso de persuasão e ao ganhar a presidência da república usou todo esse poder para controlar com mãos de ferro todos os mecanismos governamentais e uma parte considerável dos vetores políticos do país.
No PT Lula não admite oposição e expulsa qualquer um que fique em seu caminho, em relação à direita Lula simplesmente a desarticulou ou comprou parte importante dela. Lembra do mensalão e do de como o maior partido do país, o PMDB, não ousa a desafiar-lo?
Se fala muito em terceiro mandato para o presidente Lula, seria o que chamo de golpe branco na democracia. Lula finge não querer, mais quer. O problema é que se aceitar cai sua mascara de defensor da democracia e da justiça. Não é bobo, Lula sonha ser um Getúlio Vargas sem a alcunha de ditador, quer entrar para história como um grande líder sem macula alguma. Os homens de poder têm às vezes, por incrível que pareça, crise de consciência, claro quando essa crise de consciência é e diz respeito só e tão somente a eles mesmos e a estrutura que criaram.
E como deixar o poder sem perdê-lo? Para isso o presidente já apontou a solução: Dilma Rousseff. Dilma ao contrário de Lula, pegou em armas quando jovem e tentou acabar com a ditadura na bala, acabou sendo perseguida e presa e teve de amargar a morte de dezenas de companheiros seus de armas.
Lula sozinho e sem consultar ninguém decidiu que Dilma seria sua sucessora, o PT é claro disse amém e os demais partidos da chamada base aliada não ousaram a questionar. Seja lá como for não voto em Lula em caso de um terceiro mandato e tão pouco na Dilma Rousseff. Lula não me diz mais nada enquanto político ou Líder e seus pares também estão na mesma condição... Espero um alento eleitoral que mereça meu voto.
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys