Pular para o conteúdo principal

Amor discursivo não é amor


Não sei se você conhece Santo Amaro. Santo Amaro é a terra dos barrões de açúcar, de geniais artistas como Maria Bethânia e seu mano Caê. E de muita gente que prefere viver no seu passado de “glória” a fazer do presente uma nova história.
A poeira dourada do passado ainda faz brilhar os olhos dos abutres do presente!!!!!!!!!!
Santo Amaro também é a terra de outras personalidades, mas o que intriga em Santo Amaro são as juras de amor que seus filhos ilustres ou não, conhecidos ou não fazem por sua amada Santo Amaro.
Poucas cidades recebem tantas juras de amor com Santo Amaro. Essa cidade morena de gente faceira as margens da Baía de todos os Santos é tratada com tanto dengo, tanto amor que me comove.

Comove-me porque é um amor falso que não passa de discurso para a vaidade narcisista se masturbar com a própria decadência da cidade.

Vou fazer um movimento “Ame Santo Amaro com ação e não discursos”. O amor pasteurizado descartado e discursivo dos filhos da pobre Santo Amaro está matando a cidade.
Um apego ao passado que nada nos dias de hoje nos diz, uma vaidade sintética e vazia de qualquer estética.
Preservar a história em seus bons e maus momentos é necessário para nunca esquecermos o que somos, mas viver sobre glórias passadas e negar o tempo de hoje é matar a própria história a qual não pode ser reeditada.
A pobre senhora Purificação não aguenta mais as mesmas ladainhas que Santo Amaro foi a terra dê? Filhos de... nasceram aqui...Gritos chatos e lamuriantes de um passado que definitivamente se orgulha de assassinar o nosso presente.
Dane-se as atas serviçais, dane-se os barrões escravocratas e os negros capitães do mato, Dane-se a tradição capitã do mato.
TETIRUÃ
Xê aê Jesus Cristo, Buda e Omolu,
Xê aê surdos que encontrei pelo caminho.
Xê aê povos do meu coração, inquieto como andorinhas
Bêbadas de um verão delinquente.
Xê aê amor perdido nas
esquinas do tempo.
Xe aê pequeninos abandonados nas avenidas
de um país suburbano.
Xe aê vida-morte
Beijo secreto de um amor aflito.
Xe aê chuva, sol, noite-dia,
terra que afaga e enterra, gritos de mim silenciados.
Xe aê paz, São Jorge e Iemanjá, Tupã meu senhor
de todas as guerras.


Dane-se esse amor falso e discursivo, sem conectividade alguma com a realidade ou compromisso com essa gente morena que sobreviveu a tradição burguesa e mesquinha.
Quero o amor real, o amor da mãe faminta pelo seu filho desnutrido, o amor dos bêbados do mercado pelas folhas quentes curtidas sobre o sol entristecido do recôncavo.
Quero ouvir frases de amor sinceras vindas da boca do meu povo que não ganha medalhas de comendador de câmara de vereadores fantasmas o qual fecha os olhos a dor dos que morrem sem médicos na Santa Casa.

Escreveu um Ediney do passado,

“Santo Amaro é o melhor lugar do mundo para quem não tem compromisso algum com o futuro”
Frase de Franklin Romão em seu “Quando o açúcar era doce”
É nosso compromisso transformar hoje Santo Amaro no melhor lugar do presente.
Quero o amor sincero dos pais que temem pelo futuro de seus filhos, filhos de chão duro do massapé, dessa gente que vive de catar goiaba.
O amor que Santo Amaro quer e merece não é o amor institucionalizado, raquítico e covarde que fecha os olhos para o permanente risco social no qual tanta gente vive e enfrenta no dia dia.
Amor e amor verdadeiro, amor bêbado ciumento, amor de mãe nas madrugadas a sair às ruas em busca da filha perdida, mãe que nunca perde a esperança. Que questiona. Digo não ao amor televisivo, ao amor teatro das festas oficiais, ao amor documentário sorriso de plástico da TV cultura.
Quem ama essa cidade vive pelas suas ruas, vive suas ruas, dores e alegrias. Quem vive aqui é preocupado, cismado com tanta gente ruim dizendo amá-la. Santo Amaro nasceu estuprada na mortalha de duas raças que por aqui deixaram seus sonhos.
Cabe a todos nós nunca deixarmos esses sonhos pararem em si mesmos ou na vulgaridade de um tempo o qual não nos reconhecemos.
PS- A foto que ilustra esse artigo é do grupo cultural Nêgo Fugido, uma bela manifestação do povo santoamarense
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…