Pular para o conteúdo principal

Amor discursivo não é amor


Não sei se você conhece Santo Amaro. Santo Amaro é a terra dos barrões de açúcar, de geniais artistas como Maria Bethânia e seu mano Caê. E de muita gente que prefere viver no seu passado de “glória” a fazer do presente uma nova história.
A poeira dourada do passado ainda faz brilhar os olhos dos abutres do presente!!!!!!!!!!
Santo Amaro também é a terra de outras personalidades, mas o que intriga em Santo Amaro são as juras de amor que seus filhos ilustres ou não, conhecidos ou não fazem por sua amada Santo Amaro.
Poucas cidades recebem tantas juras de amor com Santo Amaro. Essa cidade morena de gente faceira as margens da Baía de todos os Santos é tratada com tanto dengo, tanto amor que me comove.

Comove-me porque é um amor falso que não passa de discurso para a vaidade narcisista se masturbar com a própria decadência da cidade.

Vou fazer um movimento “Ame Santo Amaro com ação e não discursos”. O amor pasteurizado descartado e discursivo dos filhos da pobre Santo Amaro está matando a cidade.
Um apego ao passado que nada nos dias de hoje nos diz, uma vaidade sintética e vazia de qualquer estética.
Preservar a história em seus bons e maus momentos é necessário para nunca esquecermos o que somos, mas viver sobre glórias passadas e negar o tempo de hoje é matar a própria história a qual não pode ser reeditada.
A pobre senhora Purificação não aguenta mais as mesmas ladainhas que Santo Amaro foi a terra dê? Filhos de... nasceram aqui...Gritos chatos e lamuriantes de um passado que definitivamente se orgulha de assassinar o nosso presente.
Dane-se as atas serviçais, dane-se os barrões escravocratas e os negros capitães do mato, Dane-se a tradição capitã do mato.
TETIRUÃ
Xê aê Jesus Cristo, Buda e Omolu,
Xê aê surdos que encontrei pelo caminho.
Xê aê povos do meu coração, inquieto como andorinhas
Bêbadas de um verão delinquente.
Xê aê amor perdido nas
esquinas do tempo.
Xe aê pequeninos abandonados nas avenidas
de um país suburbano.
Xe aê vida-morte
Beijo secreto de um amor aflito.
Xe aê chuva, sol, noite-dia,
terra que afaga e enterra, gritos de mim silenciados.
Xe aê paz, São Jorge e Iemanjá, Tupã meu senhor
de todas as guerras.


Dane-se esse amor falso e discursivo, sem conectividade alguma com a realidade ou compromisso com essa gente morena que sobreviveu a tradição burguesa e mesquinha.
Quero o amor real, o amor da mãe faminta pelo seu filho desnutrido, o amor dos bêbados do mercado pelas folhas quentes curtidas sobre o sol entristecido do recôncavo.
Quero ouvir frases de amor sinceras vindas da boca do meu povo que não ganha medalhas de comendador de câmara de vereadores fantasmas o qual fecha os olhos a dor dos que morrem sem médicos na Santa Casa.

Escreveu um Ediney do passado,

“Santo Amaro é o melhor lugar do mundo para quem não tem compromisso algum com o futuro”
Frase de Franklin Romão em seu “Quando o açúcar era doce”
É nosso compromisso transformar hoje Santo Amaro no melhor lugar do presente.
Quero o amor sincero dos pais que temem pelo futuro de seus filhos, filhos de chão duro do massapé, dessa gente que vive de catar goiaba.
O amor que Santo Amaro quer e merece não é o amor institucionalizado, raquítico e covarde que fecha os olhos para o permanente risco social no qual tanta gente vive e enfrenta no dia dia.
Amor e amor verdadeiro, amor bêbado ciumento, amor de mãe nas madrugadas a sair às ruas em busca da filha perdida, mãe que nunca perde a esperança. Que questiona. Digo não ao amor televisivo, ao amor teatro das festas oficiais, ao amor documentário sorriso de plástico da TV cultura.
Quem ama essa cidade vive pelas suas ruas, vive suas ruas, dores e alegrias. Quem vive aqui é preocupado, cismado com tanta gente ruim dizendo amá-la. Santo Amaro nasceu estuprada na mortalha de duas raças que por aqui deixaram seus sonhos.
Cabe a todos nós nunca deixarmos esses sonhos pararem em si mesmos ou na vulgaridade de um tempo o qual não nos reconhecemos.
PS- A foto que ilustra esse artigo é do grupo cultural Nêgo Fugido, uma bela manifestação do povo santoamarense
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…