Pular para o conteúdo principal

A construção da solidão


Brasília é uma cidade construída para o isolamento e a solidão, tudo nela celebra o distanciamento, como se fosse ela toda uma ilha na qual cada um é seu Estado e país. Seu paisagismo parece surgir de um emaranhado de cimento e concreto armado. Longas avenidas que parecem desafiar o horizonte e não nos levarmos a lugar algum, uma cidade sem esquinas, sem gente pelas ruas.
Brasília foi pensada para que qualquer um nela se sinta menor, intimidado diante uma cidade que sugere dominação, poder e autoridade. Tudo isso porque é um lugar no qual o poder e autoridade se impõem através da grandiosidade de sua arquitetura.
Tudo nela é simbólico, mas nada se compara ao seu Plano Piloto. Magistral construção desenhada pelo arquiteto Lúcio Costa, sobre a supervisão de Oscar Niemeyer, o chefe do departamento de urbanística e arquitetura, responsável para desenhar e planejar a cidade.
A ideia de se construir uma capital no centro do país foi sugerida pela primeira vez em 1716 pelo Marques de Pombal, mas foi José Bonifácio que em 1821 colocou o assunto novamente em pauta e sugeriu o nome de Brasília para a nova capital do país, finalmente construída por Juscelino Kubitschek e inaugurada em 21 de abril de 1960.
Um povo foi essencial para a construção da cidade: os ” Candangos” ou seja migrantes nordestino que aceitaram a empreitada de se embrenharem no meio do nada para trabalharem na obra. Muitos foram os que morreram por lá, depois da construção os “Candangos” foram morar nas chamadas cidades satélites, hoje os que não prosperaram, esquecidos vivem em meio a violência e miséria.
Certamente os poetas concretos adoraram a poesia de Brasília,sua beleza espacial, seu conjunto de palácios, o desafio que foi construi-la, o seu povo que representa todo o país. Brasília é uma cidade cosmopolita. Sem dúvida é um belo momento do poder político, força e criatividade de um povo.
Ps-A foto que ilustra esse artigo é da Biblioteca Nacional Leonel de Moura Brizola, fica em Brasília
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…