Pular para o conteúdo principal

Em nome do Senhor



É inegável que os evangélicos hoje constituem uma poderosa e bem articulada força religiosa no país.
A igreja Católica afundada cada vez mais em um medievalismo sem razão aparente e tendo como guia o conservador Bento XVI não consegue para suas fileiras novos adeptos e ainda perde os que têm para os evangélicos.
Há muito não somos mais um país católico, além da religião romana, somos um povo espírita, candomblezero, budista e é claro protestante. Sem falar em uma outra centena de pequenas religiões que ajudaram a transformar o brasileiro em um dos povos mais místicos do mundo.
O protestantismo encontrou no país um terreno fértil para se expandir. Nas camadas mais pobres e excluídas das ações positivas do poder público, o protestantismo recruta todos os anos milhares de seguidores para o seu poderoso exercito.
Donos de redes de rádio e TVs, que nem sempre estão a serviço do Senhor, os protestantes sabem como atuar em todos esses meios de comunicação de massa para fortalecer seus “negócios” os quais envolvem a fé e milhões de reais que vão para suas contas sem pagar um centavo de impostos.
Se no passado a Igreja Católica cobrava indulgências para aliviar o pecado dos seus fiéis e garantir-lhe o reino dos céus, hoje os protestantes cobram pesados dízimos que vão assegurar o reino da terra para os seus clientes da fé.
A meta no protestantismo não ir para o céu simplesmente, antes aqui terra, deve construir seu reino o qual sem vergonha alguma se pode juntar tesouros e ficar rico. Atitude teológica que faria Cristo corar de vergonha, já que ele mesmo foi parar na cruz por não aceitar os tesouros do mundo.
Todos os dias na TV podemos assistir cenas nas quais são apresentados enriquecimentos de pessoas que desafiam a astúcia capitalista de um Adam Smith ou curas impossíveis, todas atribuídas ao Espírito Santo do Senhor com a interferência do pastor “homem de Deus”, mas uma vez aqui os protestantes recriam o mito católico de que para se chegar aos céus e ter com Deus é necessários pessoas ungidas pelo Espírito do Senhor, no passado Bispos e padres,hoje pastores.
Na visão protestante Deus deve ser desafiado, questionado e os fiéis devem fazer sacrifícios, ou seja, provar o tamanho de sua fé com o tamanho da sua oferta. Seja lá como for dentre em breve chegaremos a uma nova ordem religiosa no Brasil com poder suficiente para interferir em todos os movimentos da sociedade, mas não devemos nos preocupar, os evangélicos ao contrário dos católicos puritanos aceitam nas suas fileiras poetas loucos ou atrizes pornôs desde que façam o sacrifício e não deixem faltar mantimento na casa do Senhor.
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net/
,

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…