Não temer a solidão


Dizem que Cazuza morria de medo da solidão e por isso patrocinava memoráveis festas só para não ficar sozinho. Assim como Cazuza conheço muitas pessoas que morrem de medo de não ter com quem compartilhar seus sonhos, alegrias ou tristezas.
No entanto saber estar só é condição necessária para identificarmos momentos reais de felicidade. Estar sempre acompanhado não significar estar longe da solidão.
Às vezes mergulhamos sem saber em um perigoso jogo o qual acreditamos que todas as pessoas ao nosso redor sentem por nós algum tipo de carinho real, mas logo descobrimos o quanto não representamos nada para essas pessoas, agem conosco como vampiros ao sugar o sangue de suas presas.
É necessário aprender a ser amigo e conselheiro de si mesmo, buscar dentro si identificar aquela voz a qual sempre escutamos e por vezes desprezamos: a voz da nossa consciência.
Não defendo a ideia de auto-exílio, nada disso. Não se pode viver sozinho em uma ilha cercado de desconfiança por todos os lados, nascemos por comunhão e já mais poderíamos viver de outra maneira, mas defendo a ideia a qual não se pode viver isolado de si mesmo, nego a ideia pela qual seja impossível ser feliz consigo mesmo.
A felicidade não pode vir de fora de nós, se não brotar do intimo de cada um será muito difícil alguém ou alguma coisa nos fazer felizes.
Há pessoas viciadas em remédios ou livros de auto-ajuda, gente que pula de religião em religião em busca da felicidade e nunca parou um instante se quer para ouvir a si mesmo, para se perguntar o porquê de tanta tristeza e necessidade de coisas externas para ser feliz.
É preciso em alguns momentos sermos filhos de nós mesmos, cuidarmos de nossas vidas como se fossemos bebês desprotegidos e órfãos de pai e mãe.
Cuide de si meu amigo, minha amiga, a vida humana é única, mas nossos sentimentos são semânticos e não é a sintaxe do manual oficial do “bom” viver, escrito por algum “especialista” em gente que vai nos ajudar a vencer nossos medos.
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net/
A imagem que ilustra esse artigo foi retirada de http:// bruxaminha.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys