Pular para o conteúdo principal

Maria Gadú e Monica Montone


Marcelo Nova certa vez disse que quase todas as cantoras da nossa música eram filhotes de Gal Costa, quer dizer, cantavam ou cantam afinadinhas e não vão além de adocicadas melodias pops. É bom ressaltar que a Gal Costa em questão é a pós-tropicalista.
Claro, Marcelo Nova não tem razão completa em sua afirmação, mas tem lá algumas verdades inegáveis. As cantoras da chamada MPB, do barzinho as divas festejadas tendem a uma padronização sem grandes diferenças no que cantam e como cantam.
Vozes com atitude e rebeldia sonora como os de Elis Regina, Cássia Eller, Maria Bethânia, Adriana Calcanhotto, Daniela Mercury, Margarete Menezes, Ângela RôRô, Rita Ribeiro, Zélia Duncan e até mesmo (às vezes chatinha) Ana Carolina fazem parte de um time raro, as das cantoras personalíssimas e mesmo quando mergulhadas em músicas puramente comerciais fazem a diferença na rotina das FMs.
Assistindo aos programas Sem Censura e Atitude.com/ TV Educativa, tive pela primeira vez um encontro com duas jovens cantoras, Maria Gandú e Monica Montone.
Duas grandes vozes e expressões artísticas que me encheram de alegria e vontade de comprar os discos e mandar para todos os meus amigos.
Se alguém me quiser presentear com os discos das duas podem me dá, eu aceito, não há problema, fico grato.
Não há crise na música brasileira, nunca ouve. O que acontecia é que as gravadoras antes todas poderosas, manipulavam como bem queriam os nossos gostos musicais, mas com a Internet, com facilidade para gravar e divulgar discos as gravadoras entraram em crise, o famoso jabá, leia-se: propina paga para as redes de tv e rádios tocarem e divulgarem determinadas músicas, já não é utilizado como a mesma frequência.
O jabá é um crime tanto quanto a pirataria, nesse caso há um paradoxo: o crime da pirataria nos libertou em parte do jabá que servia, como escrevi, não só para manipular nosso gosto musical,mas também para fabricar ídolos e modismos.
Interessante notar que o Ministério Público e a Policia Federal nunca fizeram grupos de repressão ao jabá e tão pouco abriram inquérito para averiguar outra questão cara: direito autoral (salve nosso senhor do ECAD!!!) Não só na música, mas em tudo.
Por todas estas questões é que não concordo totalmente com o Marcelo Nova, Gal Costa é uma referência de sucesso por isso as gravadoras investiram na clonagem em massa de sua voz e de sua expressão artística, mas sempre por aí poderíamos e podemos encontrar outras vertentes musicais distantes das rainhas dos rádios.
É mais fácil vender o que se parece com a fórmula já celebrada. A indústria fonográfica (se é que oficialmente ela ainda exista) não tem preocupação cultural com nada a não ser com o lucro.
Cantoras como Maria Gadú e Monica Montone são bons exemplos da renovação da nossa música, jovens interpretes que estão surgindo quando nem mesmo o disco é obrigatório para um artista se tornar conhecido, uma geração mais livre e que com liberdade artística podem nos presentear com música boa e corações artísticos sinceros.
http://edineysantana.zip.net/
http://cartasmentirosas.blogspot.com/

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…