Pular para o conteúdo principal

“Todo enfiado”


Há muito a Bahia deixou de ser a terra de todos os santos para ser a terra de todas as mediocridades. O lixo cultural e político tomaram conta da terra do Velho Jorge Amado, a mediocridade é à base da intelligentsia baiana de hoje. Com o argumento de que gosto cada um tem o seu, rádios, imprensa, TVs e espaços públicos são tomados por todo um submundo artístico não raro patrocinado pelo poder público o qual nada mais é que o espelho dessa gangrena social. Grupos de “artistas” são criados do dia para noite que além da missão de ganhar dinheiro para seus donos, servem também para massificar a cultura do nada, o vazio – social. A musicalidade da Bahia de hoje, se é que existe essa musicalidade, nada mais é que a sonoridade do flagelo social reinante em cada esquina da capital baiana disfarçado da “expressão” cultural de um povo.
No teatro sempre as mesmas comédias baratas e repetitivas, como se a única coisa a qual um público que vai assistir a um espetáculo sabe fazer é ri, ri, ri de se mesmo. Estou farto de atores vestidos de mulheres, de roteiros chatos, de interpretações menores e tacanhas, dessa visão pequena a qual o Rio de Janeiro é a nossa Los Angels.
No Pelourinho grupos de capoeira não vão além de bizarros balés para gringo “vê”. Grupos tão submissos e passivos como escravos em uma senzala, no carnaval o baiano “se diverte” muito segurando as cordas para uma elite de merda e estúpida tirar “o pé do chão”.
O governo estadual não menos medíocre e incompetente na articulação de políticas públicas para a cultura criou os infames “Pontos de cultura” que não ajudam a formar ninguém, algo meio parecido como um bolsa família para justificar o mau uso de verbas públicas.
A única política pública a qual esse governo fraco e desarticulado com a realidade conhece é “transferência de verbas”. Transferência para o bolso de quem cara pálida?
Enquanto se discute se a “professora” está correta ou não em dançar “toda enfiada” e os jornais, TVs baianos dedicam um espaço fabuloso para discutir o vazio das mazelas “culturais” a cidade do Salvador apodrece culturalmente, politicamente. A mídia baiana, com raríssimas exceções é digna de desprezo.
Nos programas de TVs no lugar de uma programação de excelência, se oferece dinheiro para o telespectador, única maneira que conseguem ter risórios índices de audiência.
A Bahia de hoje é esse playground da pedofilia, do turismo sexual, do carnaval excludente das cordas, da violência desenfreada contra o patrimônio imaterial de um povo.
O samba de roda é transformado e vendido como objeto de sedução da pior espécie o que ajuda atrair canalhas do mundo todo para fazerem da capital baiana o maior puteiro ao céu aberto do mundo, a capoeira nada além de exercício aeróbio no Mercado Modelo, tudo bem disfarçado da “manifestação, luta e resistência de um povo” e é claro com uma boa dose de anti-política pública para a cultura.
A cidade antes de todos os “santos” como Glauber Rocha, Pierre Verger, Dias Gomes, Minelvino Francisco Silva, Raul Seixas, Marcelo Nova, Anísio Teixeira, Mestre Pastinha, Bule Bule, dos fabulosos e emocionantes grupos de Samba de Roda e tantos outros artistas contemporâneos que são sombreados e esquecidos por essa estupidez soteropolitana é um lugar o qual Gregório de Matos há tantos anos profetizou:
“De dois ff se compõe esta cidade a meu ver: um furtar, outro foder.”
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…