Pular para o conteúdo principal

“Todo enfiado”


Há muito a Bahia deixou de ser a terra de todos os santos para ser a terra de todas as mediocridades. O lixo cultural e político tomaram conta da terra do Velho Jorge Amado, a mediocridade é à base da intelligentsia baiana de hoje. Com o argumento de que gosto cada um tem o seu, rádios, imprensa, TVs e espaços públicos são tomados por todo um submundo artístico não raro patrocinado pelo poder público o qual nada mais é que o espelho dessa gangrena social. Grupos de “artistas” são criados do dia para noite que além da missão de ganhar dinheiro para seus donos, servem também para massificar a cultura do nada, o vazio – social. A musicalidade da Bahia de hoje, se é que existe essa musicalidade, nada mais é que a sonoridade do flagelo social reinante em cada esquina da capital baiana disfarçado da “expressão” cultural de um povo.
No teatro sempre as mesmas comédias baratas e repetitivas, como se a única coisa a qual um público que vai assistir a um espetáculo sabe fazer é ri, ri, ri de se mesmo. Estou farto de atores vestidos de mulheres, de roteiros chatos, de interpretações menores e tacanhas, dessa visão pequena a qual o Rio de Janeiro é a nossa Los Angels.
No Pelourinho grupos de capoeira não vão além de bizarros balés para gringo “vê”. Grupos tão submissos e passivos como escravos em uma senzala, no carnaval o baiano “se diverte” muito segurando as cordas para uma elite de merda e estúpida tirar “o pé do chão”.
O governo estadual não menos medíocre e incompetente na articulação de políticas públicas para a cultura criou os infames “Pontos de cultura” que não ajudam a formar ninguém, algo meio parecido como um bolsa família para justificar o mau uso de verbas públicas.
A única política pública a qual esse governo fraco e desarticulado com a realidade conhece é “transferência de verbas”. Transferência para o bolso de quem cara pálida?
Enquanto se discute se a “professora” está correta ou não em dançar “toda enfiada” e os jornais, TVs baianos dedicam um espaço fabuloso para discutir o vazio das mazelas “culturais” a cidade do Salvador apodrece culturalmente, politicamente. A mídia baiana, com raríssimas exceções é digna de desprezo.
Nos programas de TVs no lugar de uma programação de excelência, se oferece dinheiro para o telespectador, única maneira que conseguem ter risórios índices de audiência.
A Bahia de hoje é esse playground da pedofilia, do turismo sexual, do carnaval excludente das cordas, da violência desenfreada contra o patrimônio imaterial de um povo.
O samba de roda é transformado e vendido como objeto de sedução da pior espécie o que ajuda atrair canalhas do mundo todo para fazerem da capital baiana o maior puteiro ao céu aberto do mundo, a capoeira nada além de exercício aeróbio no Mercado Modelo, tudo bem disfarçado da “manifestação, luta e resistência de um povo” e é claro com uma boa dose de anti-política pública para a cultura.
A cidade antes de todos os “santos” como Glauber Rocha, Pierre Verger, Dias Gomes, Minelvino Francisco Silva, Raul Seixas, Marcelo Nova, Anísio Teixeira, Mestre Pastinha, Bule Bule, dos fabulosos e emocionantes grupos de Samba de Roda e tantos outros artistas contemporâneos que são sombreados e esquecidos por essa estupidez soteropolitana é um lugar o qual Gregório de Matos há tantos anos profetizou:
“De dois ff se compõe esta cidade a meu ver: um furtar, outro foder.”
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…