Pular para o conteúdo principal

O livreiro de Cabul


Comprei no Sebo Subaé em Santo Amaro-Ba o livro da jornalista norueguesa Asne Seierstad, o livro é na verdade uma extensa reportagem sobre a vida, família e trabalho como livreiro de Sultan Khan em um país devastado por guerras: o Afeganistão.

O livro é um relato emocionante de um homem que fez de tudo para não deixar seu país na completa ignorância imposta pela milícia talibã a qual proibiu qualquer leitura que não fosse o Alcorão ou o código de ética da milícia.

Sultan Khan foi preso, ameaçado de morte, teve seus livros queimados em praça pública, mas nunca desistiu de vender livros. O talibã proibiu qualquer imagem de qualquer ser vivo, Sultan Khan então teve que esconder e apagar todas as gravuras de muitos dos seus livros para que não fossem queimados, os saldados talibãs ,em sua maioria analfabetos, só reconheciam os livros “impuros” se tivessem gravuras.

Em uma das passagens mais emocionantes do livro Asne Seierstad nos relata a invasão de um museu o qual guardava tesouros culturais da humanidade e que sem piedade foram destruídos a golpes de machados pelos soldados talibãs. Os antigos guardas do museu guardaram os pedaços das telas, dos objetos quebrados na esperança de um dia serem reconstruídos.

O livro também conta o drama das mulheres afegãs negociadas em casamentos arranjados, humilhadas e destituídas em suas humanidades e como muitas são mortas tão simplesmente por se encontrarem, por exemplo, com um homem em uma praça pública como foi o caso da jovem Saliqa, sua mãe sem piedade ordenou aos três filhos que assassinasse a irmã por “desonrar” a família.

O Livreiro de Cabul é um relato da nossa história, a história da humanidade e suas contradições, o drama de Sultan Khan e sua família não difere muito do nosso drama quando olhamos a maneira criminosa a qual nossa cultura é tratada, na Bahia a carnavalização e promiscualização de coisas lindas como o samba de roda, no Rio de Janeiro a tragédia das escolas de samba transformadas em espaços para gringo buscar diversão barata.

Em poucas cidades no Brasil há museus ou livrarias e tão pouco bibliotecas públicas aparelhadas e equipadas adequadamente. Nossos melhores compositores não conseguem espaço nas rádios ou TVs, em São Paulo, a cidade que se orgulha de ser o motor do país, há mais pet shops que livrarias, nossas editoras em sua grande maioria vivem de eternamente reeditar clássicos literários e pouco investem na renovação das letras. Por fim todos nós também temos nosso talibã que não usa metralhadora nem o fanatismo religioso, mas nos leva pouco a pouco para uma espécie de cultura da ignorância.

As redes de TV utilizam concessão pública para funcionarem, mas abusam de uma programação alienante que sem dúvida alguma tem como missão promover a ignorância e até mesmo a demência cultural na maioria da população do país, nas escolas o lixo pedagógico tomou conta das salas de aulas, nossas universidades em muitos casos são invadidas por debates desconectados da realidade e sem valor algum concreto algum. Teses estúpidas são financiadas com dinheiro público formando uma horda de especialistas, mestres e doutores estúpidos que fariam qualquer aluno da escolinha do professor Raimundo chorar de tristeza.

O que nos liga a história do livreiro de Cabul é nossa medíocre estrutura de poder político, o talibã sabe o quanto à ignorância é uma poderosa aliada para um grupo político criminoso manter-se no poder, nossa estrutura política administrativa não é muito diferente, no entanto é mais criativa na medida em que utiliza o riso vazio, a sensação de liberdade política, cultura e social para manter-se no poder.

Asne Seierstad nasceu em 1970 e não há como não ficarmos maravilhados com seu trabalho enquanto jornalista especializada em cobrir guerras, pessoas como ela são essências para entendermos nossa história contemporânea.

http://edineysantana.zip.net

ediney-satana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…