Pular para o conteúdo principal

“Alegria, alegria é uma estado que chamamos Bahia”


Uma amiga jornalista da Costa Rica ontem à noite me perguntou como era a participação dos negros no carnaval da Bahia. Resposta:

1- Segurando as cordas dos blocos
2- Na PM, nas mãos da PM
3- Catando Latinhas
4- Vendendo espetinhos de gato e garrafinhas de água mineral
5- De pernas abertas em uma cama fazendo a prostituta alegria do mundo
6- Nos blocos afros que só passam na avenida quando não têm mais ninguém, esmagados e humilhados por gigantescas organizações carnavalescas.
7- Em cima dos trios elétricos ganhando cachê inferior aos dos músicos brancos.
8- Oito dias atrás de um volante de um ônibus coletivo
9- Amontoados em horríveis arquibancadas sem cobertura, na fila para conseguir uma entrada para uma dessas porcarias de arquibancadas.
10- Limpando banheiros e fazendo segurança em camarotes de traficantes e cheirados ricos de pó, tudo muito VIP.
11-A TV pouco mostra a participação cultural do negro no carnaval, aliás, mostra sempre loiras desafinadas e moleques turbinados por anabolizantes para cavalo e aja éguas cantando uma monte de baboseiras.

11- Coisas lindas como a Banda Didá e Margareth Menezes nunca foram chamadas de rainhas do carnaval.

12- A prefeitura de Salvador e o governo do Estado fazem carnavais nos bairros tudo para que o negro fique por lá.

13 – A maior expressão musical da Bahia, o Samba de roda, é transformado em subproduto cultural e vendido como ingrediente para humilhar e ridicularizar a mulher negra.
14- Os compositores da chamada “música baiana”, quase todos negros, são obrigados a ceder parceria em suas composições para empresários que mal sabem segurar uma caneta nas mãos, assim esses compositores para ter suas musicas tocadas só durante o período de carnaval têm que dividir os seus direitos autorias com essa corja que controla boa parte das rádios baianas.

15- O carnaval da Bahia é tão “seguro” para os negros que foi preciso criar o “ Observatório racial” para tentar coibir a
violência racial contra eles.

16- Durante os dias próximos ao carnaval nos bairros periféricos de Salvador, por acaso e muito por acaso aumenta o número de jovens negros mortos por armas de fogo.

17- Conte ao mundo que não somos tão felizes assim.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…