Minha casa


Confesso que não gosto de receber muitas visitas em minha casa, em verdade quase não recebo visitas. Minha casa é o que tenho de mais íntimo, por isso mesmo seleciono a dedo às pessoas as quais podem nela entrar. Tenho minha casa como uma extensão do meu corpo e como não me permito a qualquer pessoa, não permito também a minha casa visitas insólitas. Tenho um ciúme danado das minhas coisinhas, assim como não suporto beijinhos no rosto ,não suporto também intimidades com essas minhas coisinhas que guardam um pouco da minha personalidade. Na minha casa só convido a entrar quem tenho certeza que mal alguma possa nos fazer. Também não sou chegado a ir à casa de estranhos e de conhecidos só vou às que tenho muita, mas muita confiança mesmo. Minha casa, tua casa... Nossa embaixada no mundo, nosso lugar de encontros e tramas para vida, único lugar o qual o teatro do dia dia dá lugar ao essencial de nós.Hotéis são fúteis por serem todos impessoais, suas camas são de todos os momentos, seus banheiros de todos os corpos, suas paredes não guardam segredos por estarem carregadas de tantos sons e vulgaridades.Minha casa não é vitrine para expor-se aos olhos indelicados que procuram pobreza ou riqueza nos detalhes, minha casa só se mostra por inteira a mim, ela é o meu consolo, minha alegria nos dias de tédio, a certeza que não vou ser expulso de um abraço amigo.Ter uma casa é ter uma amiga, por isso todos os anos pago seu IPTU, pinto suas paredes, reviso suas fiações, declaro amor a quem me guarda por inteiro.É na minha casa o lugar da minha segurança, o qual sou mais eu, refugio, abrigo e certeza de paz, minha casa sabe das dores que sinto e das alegrias perdidas.

A imagem que ilustra esse artigo foi retirada do site www.rubemalves.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys