Pular para o conteúdo principal

Mary Quant


Em 1965 Mary Quant criou a minissaia, não apenas para realçar o erotismo feminino. Feminista, Mary tinha consciência o quanto à minissaia representava um importante símbolo de afirmação dos direitos civis das mulheres.
Engana-se quem pensa que Mary Quant e suas colegas de geração queriam promover uma guerra dos sexos ou chocar por chocar a sociedade conservadora e machista da época, seriam tolas demais se assim pensassem.
A causa que defendiam era nobre e não uma disputa de “quem sabe mais o homem ou a mulher” realizada em um programa domingueiro. A mulher até então simplesmente não existia além da condição a qual lhe fora imposta: objeto sexual, do lar, penduricalho para ser apresentado em reuniões familiares. Era contra tudo isso que se lutava.
Nos dias de hoje o tráfico internacional de mulheres é um dos “negócios” mais lucrativos do planeta e a mulher brasileira parte importante na renda de criminosos do mundo todo que atuam nesse crime.
Outro dia vi uma cena constrangedora no porto do Rio de Janeiro, um grupo de mulheres seminuas saudavam “turistas” que desembarcavam para, segundo o guia “um final de semana emocionante com as mulheres mais lindas do Rio de Janeiro”. A cena foi constrangedora para mim porque no imaginário do mundo o nosso país é o lugar do sexo fácil e o maior exportador de prostitutas para todos os continentes do mundo, sobre tudo para a Europa.
Nos dia de hoje Mary Quant não teria sucesso com sua bandeira de igualdade de oportunidades independente do sexo, da rebeldia que a minissaia pregava só ficou e sobreviveu o erotismo.
Ontem em uma horrorosa novela da Rede Globo, uma personagem negra caiu de joelhos aos pés de uma personagem branca quando esta lhe chamou de assassina por ter abortado e ainda ser apontada como responsável por um acidente o qual vitimara uma jovem, mesmo sem ter ela culpa alguma, além de ficar de joelhos,  pediu perdão a senhora branca que a esbofeteou.
A cena lembrou a rotina das senzalas e casa grande quando a branca altiva jogava na negra escrava a culpa por suas misérias. Esse foi o presente  da Rede Globo a mulher negra as vésperas do 20 de novembro, dia da consciência negra.
A cena não quis em momento algum discutir racismo ou outro tema mais profundo, quis simplesmente humilhar a personagem negra. Se Mary Quant assistisse a cena morreria de vergonha da atriz negra que aceitou fazer um papel ridículo e vazio de arte, mas cheio de simbolismo do pensamento do autor e da Rede Globo sobre a mulher negra e de não menos pena da mulher branca de talento duvidoso, mas que soube imprimir direitinho os créditos dos seus patrões à cena.
Certo é: negra ou branca a mulher ainda tem muito que conquistar na política, nas artes na afirmação da feminilidade, na busca por igualdade de oportunidade, nas busca por equiparação salarial, mas muito já se conquistou... E tenho certeza, há mais Mary Quant por aí do que Helenas aguadas e vazias de si.
http://edineysantana.zip.net
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…