Pular para o conteúdo principal

Não viver só para si


Em 2008 quando publiquei pela Laetitia Editore o meu livro – Os deuses não são socialistas- dediquei um capítulo a uma ideia: “não viver só para si”. Não é uma ideia mística ou política é um argumento que aponta para um caminho o qual se percorrido nos levará a um encontro feliz com nossa dignidade humana que me parece anda meio adormecida nos escombros do nosso egoísmo.
Como seria uma sociedade a qual não se vive só para si? Não seria criado um grupo, não teríamos lideres, não se arrecadaria fundos, não seriamos nem da turma de Michael Alexandrovich Bakunin, de Marx ou do Adam Smith. Nem uma sociedade como a conhecemos existiria .
Seriamos nós, cada um com suas possibilidades em seu lugar, sua rotina fazendo a diferença em pequenas e quase invisíveis ações.
Adotaríamos uma visão de mundo não egocêntrica, não centralizada em si mesma. Um dia ao sair de casa dei bom dia a um gari, resposta dela: “Não estou acostumada com “bom dias” às vezes penso que sou invisível. Quem adota não viver só para si mesmo busca evitar torna-se invisível ou perder a capacidade de enxergar o outro como ele é: gente.
Não viver só para si não é fazer caridade ou altruísmo para si sentir bem, antes de tudo é ter consciência o quanto nossa existência, queiramos ou não, não é algo individual, singular ou encarcerada em si mesma. Viver é antes de tudo nos reconhecer na compaixão do outro e nunca na sua pena ou dele sentir pena.
Em sua casa, com teus amigos, no seu trabalho busque fazer a diferença em pequenas coisas, na delicadeza, na aula gratuita a uma pessoa não alfabetizada, na oportunidade oferecida a quem tem condições exercer uma função a qual se disponibiliza atuar.
Nosso autoelogio pouco importa se o outro não nos reconhece como pessoas valorosas. Não há santo de si mesmo. Fernando Pessoa escreveu que gênios que sonhos para si mesmos são loucos, há muitos desses loucos por aí tornando nossas vidas um inferno.
Em uma canção de Maria Lima o resumo desse texto: “Você me abre os braços e a gente faz um país”
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br

A foto que ilustra esse artigo é do profeta Gentileza que viveu e morreu no Rio de Janeiro

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…