Pular para o conteúdo principal

A palavra é: PENSAR!!!!!!


Que não há um pensamento claro sobre o que é esse gigante meio delinquente, puritano e belíssimo chamado Brasil me parece obvio. Tentar explicar o Brasil através das nossas inquietações de quase expatriados é trabalho para gente como Darcy Ribeiro ou um Gilberto Freire, não para mim que entendo o Brasil como um ópio generalizado de todas as sacanagens globais.
Você já percebeu que da alma mais simples a mais academicistas sempre há um “repensar” algo? Talvez esteja aí à desgraça, usa-se pouca criatividade, imaginação e enforca-se a alma latina do brasileiro em medonhas gambiarras sociologistas.
Você adora um programa de TV e acha o seu apresentador o cara mais inteligente do mundo e de repente descobre que ele não passa de um feto mal formado na indústria do copiatês que é a TV brasileira, seu adorável apresentador é tão somente uma cópia de algo velho e requentado nos Estados Unidos, liga a TV é fica chocado com Tom Jobim pagando pau para um Frank Sinatra qualquer e o pior descobre que a Bossa Nova teve que aprender inglês porque os gringos acham nossa língua coisa de bárbaro e, além disso, teve que ganhar toques de “sofisticação” jazzística para parece mais universal que o nosso sambinha do dia dia... gambiarra, gambiarra...
A maioria dos nossos doutores das universidades vão estudar na Europa ou nos Estados Unidos para chegarem à genial conclusão que somos um povo único no mundo, somos o país da adversidade, nossos doutores se trancam dentro das universidades olham pela janela o povo a passar como se fossem baratas pré-históricas.
Eu não quero re-pensar porra alguma, me arrisco no meu pensamento popular, o risco é meu, o gozo é meu... engolir a seco a velha cantilena de que somos um povo único não é comigo, somos um país de ódios e muitos, o sul do país se sente mais digno que o norte- nordeste, o homem e mulher do litoral nordestino olha para o Brasil sertanejo com desprezo...
Tome gambiarras e comidas requentadas, aqui Platão é ainda debatido seriamente quando o que ele pensou já está ultrapassado, se discute se foi Pedro Álvares Cabral que descobriu o Brasil enquanto há hoje todo um país a ser desbravado sociologicamente, culturalmente...
Enquanto isso o estúpido do Caetano Veloso, que utilmente faz mais sucesso pelas besteiras que diz do que pelas músicas que compõe, se permitiu ser porta voz de toda elite de merda do país ao preconceituosamente chamar o presidente de analfabeto, logo Caetano Veloso filho de um simples carteiro com uma simplicíssima dona de casa.
Gambiarras... gambiarras...viva o Brasil do brega de Taroba, lá por alguns trocados qualquer um pode ser feliz por alguns minutos.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br
As fotografias que ilustram esse artigo são do programa do Jô e do programa o qual o Jô copia da TV norte americana apresentado por David Letterman


Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…