Pular para o conteúdo principal

Pedagogia da mediocridade

Por que no Brasil se aceita passivamente o meio termo como solução final para problemas graves e que requer debates constantes e ações coordenadas extremamente sérias?
Porque temos na ordem do sempre uma educação voltada ao adestramento. Quem é adestrado vive para e com o imediatismo e tem graves problemas em desenvolver uma condição intelectual capaz de enxergar além das curtas fronteiras do pequeno cercado o qual seu mundo a cada dia é artificialmente transformado.
Prestar atenção nos detalhes? Nas entrelinhas? Nada disso! Em um país míope a primeira impressão é a que nos corações vulgares faz seu templo de eterna mediocridade.
Por aqui ainda se engole a ideia a qual há etiquetas ou tendências a seguir e quem assim não se padronizar está fora, morto para a coletividade estúpida que se auto-reproduzindo como codornas não sabem para que vivem...
“Neste verão minha filha o básico é lacinho de fita no cabelo e os meninos todos de camisetas brancas, tudo muito básico”. Enquanto isso todos os dias a Constituição Federal é estuprada e pari seus frutos bastardos: violência, tráfico de drogas e todo tipo de agressão à vida.
Como diz a música do Ultraje a Rigor: “A gente somos inútil! Inútil!”. Escrevemos livros e não conseguimos publicar, gravamos um CD que só os amigos vão comprar e talvez nunca ouvi-lo.
Ligo a TV e vejo Marcelo Tas lançando sua grande obra Ctrl+C / Ctrl+V com frases do Lula e uma fila de gente comprando a preciosidade literária do momento. Imagino quando em casa as gargalhadas que esse rapaz não cospe na cara dessa gente que tem o celebro Ctrl+C / Ctrl+V.
Infelizmente Paulo Freire e sua pedagogia da autonomia descansam em alguma biblioteca empoeirada entregue as traças... Aqui vale a pedagogia da mediocridade a qual todos os dias desafia nossa inteligência.
Outro dia vi na TV a “nata” do cinema nacional aplaudindo de pé Xuxa ganhando um KIKITO de ouro o principal prêmio do cinema brasileiro. Desliguei a TV, fui ao Bar de Mariano e gritei: coloca bem alto no som “Eu não sou cachorro não para viver tão humilhado” Waldik Soriano Sabia das coisas.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br


Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…