Pular para o conteúdo principal

“Quando eu te vejo paro logo em teu olhar”


Morreu no dia 31 de outubro desse ano, Neguinho do Samba, um dos fundadores do Olodum e também de um gênero musical que na minha infância me fascinava, o Samba Reggae.
Quando criança era tamanha minha fascinação pelo ritmo criado por Neguinho do Samba que cheguei a tocar em dois blocos afros em Santo Amaro-Ba, um era o Força Negra, só para crianças, o outro o Ogundelê que anos mais tarde daria origem a banda de reggae Dissidência.
Quando o Olodum lançou seu primeiro disco meu pai me deu um de presente. No Buraco da Jia, rua a qual passei parte da minha infância, foi uma festa, o disco não parava lá em casa todo mundo queria emprestado. Por trás da musicalidade simples do Olodum estava à genial sensibilidade de Neguinho do Samba.
Neguinho há anos deixou o Olodum e criou a banda feminina Didá que ao exemplo do Olodum não é só um grupo musical é também um projeto social importante.
Lá no Buraco da jia era tudo pobre demais, não tínhamos ruas calçadas, esgoto, água encanada, embora a rua tivesse o nome de um buraco, era um morro e lembro que aos nove anos de idade carregava água morro acima por quase dois quilômetros para não morremos de sede.
A questão do esgoto era terrível, tínhamos que com as próprias mãos limpar a fossa, nunca deixei que minha mãe fizesse isso e evitava que meu pai o fizesse, ele já estava doente demais para se expor, então lá estava eu com sacos plásticos na mão fazendo o trabalho, quando chovia colocava sacos plásticos para proteger os pés e evitar o constrangimento de na escola ouvir piadinhas “povo da rua da lama”.
Quando ouvir o Olodum, aqueles discursos todos, algo em mim começou a despertar: a pobreza não era uma questão geográfica é e sempre foi uma questão política.
A trilha sonora dos nossos dramas estava ali nas batidas fortes e sem romantismos do Olodum, como muitos dos seus membros eu não tive infância, meu brinquedo era a lutar constante para sobreviver, minha adolescência também não foi lá grandes coisas, mas a poesia e a rebeldia do Olodum me ajudaram a entender porque “uns nascem pra sofre enquanto outros ri”.
Neguinho do Samba não ficou rico com sua música, quando passou mal foi de taxi a um posto médico da prefeitura de Salvador, recebeu o mesmo tratamento de milhares de pessoas pobres e anônimas, voltou para sua casa no Pelourinho e morreu. No seu enterro não havia figurões ou gente poderosa, havia o seu povo.
Com Neguinho do Samba começou minha educação musical, para ele meu respeito e carinho eterno.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…