Pular para o conteúdo principal

“Quando eu te vejo paro logo em teu olhar”


Morreu no dia 31 de outubro desse ano, Neguinho do Samba, um dos fundadores do Olodum e também de um gênero musical que na minha infância me fascinava, o Samba Reggae.
Quando criança era tamanha minha fascinação pelo ritmo criado por Neguinho do Samba que cheguei a tocar em dois blocos afros em Santo Amaro-Ba, um era o Força Negra, só para crianças, o outro o Ogundelê que anos mais tarde daria origem a banda de reggae Dissidência.
Quando o Olodum lançou seu primeiro disco meu pai me deu um de presente. No Buraco da Jia, rua a qual passei parte da minha infância, foi uma festa, o disco não parava lá em casa todo mundo queria emprestado. Por trás da musicalidade simples do Olodum estava à genial sensibilidade de Neguinho do Samba.
Neguinho há anos deixou o Olodum e criou a banda feminina Didá que ao exemplo do Olodum não é só um grupo musical é também um projeto social importante.
Lá no Buraco da jia era tudo pobre demais, não tínhamos ruas calçadas, esgoto, água encanada, embora a rua tivesse o nome de um buraco, era um morro e lembro que aos nove anos de idade carregava água morro acima por quase dois quilômetros para não morremos de sede.
A questão do esgoto era terrível, tínhamos que com as próprias mãos limpar a fossa, nunca deixei que minha mãe fizesse isso e evitava que meu pai o fizesse, ele já estava doente demais para se expor, então lá estava eu com sacos plásticos na mão fazendo o trabalho, quando chovia colocava sacos plásticos para proteger os pés e evitar o constrangimento de na escola ouvir piadinhas “povo da rua da lama”.
Quando ouvir o Olodum, aqueles discursos todos, algo em mim começou a despertar: a pobreza não era uma questão geográfica é e sempre foi uma questão política.
A trilha sonora dos nossos dramas estava ali nas batidas fortes e sem romantismos do Olodum, como muitos dos seus membros eu não tive infância, meu brinquedo era a lutar constante para sobreviver, minha adolescência também não foi lá grandes coisas, mas a poesia e a rebeldia do Olodum me ajudaram a entender porque “uns nascem pra sofre enquanto outros ri”.
Neguinho do Samba não ficou rico com sua música, quando passou mal foi de taxi a um posto médico da prefeitura de Salvador, recebeu o mesmo tratamento de milhares de pessoas pobres e anônimas, voltou para sua casa no Pelourinho e morreu. No seu enterro não havia figurões ou gente poderosa, havia o seu povo.
Com Neguinho do Samba começou minha educação musical, para ele meu respeito e carinho eterno.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…