Pular para o conteúdo principal

A paixão nossa de cada dia

Não tenho a menor dúvida: o sentimento a nos mover nas mais diferentes empreitadas por essa doida aventura do viver é a paixão!!!!
A paixão tomou conta do espírito aventureiro de Ernesto Guevara e o fez largar tudo na recém conquistada Cuba para ir de encontro à morte nas selvas colombianas, mas nos deixou um fabuloso exemplo de desprendimento e vocação para um mundo cosmopolita sem donos ou fronteiras.
A paixão pela fé, política e amor de Jesus Cristo o levou a cruz ainda muito jovem, mas deixou com sua utopia de unir política, amor e fé uma das maiores religiões do mundo, o cristianismo.
A paixão de Moisés o fez liderar uma multidão pelo deserto em busca de uma terra prometida nunca encontrada, mas com seus Dez Mandamentos deixou alguns fundamentos para o que um dia seria a ciência jurídica.
A paixão do Senador Cristóvão Buarque em defesa da educação pública nos faz ainda acreditar em um outro Brasil possível, um Brasil sem o analfabetismo programado e articulado na farsa de uma democracia inexistente.
A paixão de Martinho Lutero pala Igreja Católica que sem querer a dividiu em milhares de tantas outras religiões.
A paixão de Cazuza o levou a brigar com a morte até os instantes finais de sua vida, deixando para todos um exemplo inesquecível de coragem e honestidade com o que sempre acreditou: viver a vida.
A paixão poética de Torquato Neto o levou sem medo ao suicídio deixando para trás uma promissora carreira literária. Morreu afogado nos seus medos e desejos, não viu seus amigos tropicalistas ganharem o mundo com ideias que ele também ajudou a esboçar.
A paixão de Renato Russo pela autodestruição o fez reeditar toda morbidez da 2º geração romântica e sem medo foi ao encontro da morte recusando-se a seguir o tratamento contra a Aids, mas demonstrou desapego e coragem para deixar a vida e segundo ele mesmo “ir para um lugar melhor, porque aqui não sou feliz”, coragem para trocar a dor concreta por uma felicidade imaginária.
A paixão de Francisco de Assis, homem santo pelo mundo. Seu amor a natureza antecipou em muito o que hoje é o ambientalismo e os estudos sobre a ecologia.
A paixão de Lula pelo poder o transformou em um monstro de vaidade e egoísmo.
A paixão de Jim Morrison, que nunca quis ser cantor, o levou a França e lá está enterrado entre alguns gênios da literatura.
A paixão de Patativa do Assaré pela sua aldeia o fez ao lado de Luiz Gonzaga lendas do povo de todos os sertões. Há glória maior para um ser humano além de ser uma lenda?
É a paixão a nos faz todos os dias desenhar planos, buscar certezas e sempre trocar de esperança toda vez que ela se torne um asqueroso urubu, a paixão mata e nos constrói, vida e razão na badala irregular nessa caminhada do viver.
http://edineysantana.zip.net
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…