Pular para o conteúdo principal

“Parti para junto de Deus”

Albert Camus certa vez disse que o único problema filosófico realmente sério é o suicídio. Segundo dados da Organização mundial de saúde (OMS) a cada 40 segundos uma pessoa se suicida no mundo.
Os números são assustadores principalmente por serem crescentes. Se antes havia o questionamento de onde viemos ou para onde iremos, ao que parece o futuro para muita gente não importa tanto assim, o que importa é negar o presente nem que para isso seja preciso por fim a própria vida.
Tive dois primos suicidas. Bozó se jogou do alto de uma torre de telefonia e Cural se enforcou em uma árvore. Ambos eram jovens, depressivos e tomavam calmantes, viviam em um mundo a parte, um mundo o qual a alegria só era possível através de remédios.
A atriz Leila Lopes suicidou-se recentemente, deixou uma comovente carta de despedida a qual reproduzo a seguir um trecho:
“Eu não me suicidei, eu parti para junto de Deus. Eu decidi que já fiz tudo que podia fazer nessa vida. Tive uma vida linda, conheci o mundo, vivi em cidades maravilhosas, tive uma família digna, ganhei muito dinheiro e ajudei muita gente com ele. mas sempre renasci como uma fênix que sou e sempre fiquei bem de novo. Aliás, eu nunca me importei com o ter. Bom, tem muito mais sobre a minha vida, isso é só para verem como não sou covarde não, fui uma guerreira, mas cansei. É preciso coragem para deixar esta vida, estou em busca de Deus. Não é por falta de dinheiro. Eu quero paz! Estou cansada, cansada de cabeça! Não aguento mais pensar, pagar contas, resolver problemas... Vocês dirão: Todos vivem!!! Mas eu decidi que posso parar com isso, ser feliz, porque sei que Deus me perdoará e me aceitará como uma filha bondosa e generosa que sempre fui."
Uma leitura rápida e desatenta desse trecho da carta pode nos levar a errada conclusão de que a Leila estava calma, serena e certíssima do que queria para si e do seu caminho para buscar o seu deus, mas tanto quanto a existência de um deus não pode ser comprovada ou negada com simples argumentos apaixonados ou não o suicídio foge a toda tentativa de racionalizar seus reais motivos, mas devemos tentar.
Desespero, solidão, sentimento de culpa, frustração, consigo e com o mundo, cansaço físico e emocional enfim uma série de questões, não raras todas emocionais, vão aos poucos minando a vontade de se continuar no front impiedoso que é a relação com as coisas inanimadas e animadas e por algum motivo em um determinado momento a vontade de morrer ou a crença na qual só a morte pode trazer paz de espírito vence a vida e o suicídio acontece.
http://cartasmentirosas.blogsport.com
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…