Pular para o conteúdo principal

Reality shows fazem estrondoso sucesso no país e servem para tudo: escolher uma super modelo, um novíssimo cantor de churrascaria, um novo Pelé ou ainda simplesmente criar do dia para no mesmo dia deixar de existir uma celebridade que tem como principal talento ser famosa.
- Diga minha filha que você faz da vida, além da própria vida?
- Olha seu Falastrão sou modelo e atriz, mas gosto mesmo é de ser famosa.
- Só isso?
- Para falar a verdade gosto também de aparecer em festinhas promovidas por produtoras de filmes pornôs, faço pontas como dublê de corpo das globais que atuam no finíssimo cinema nacional erótico.
- Já entendi tudo, dublê de rabo, ta bom. Essa foi Jurema Pé de Grama, ex: periquita, ex: bbc, ex: ...? Deixa pra lá.
A fama pela fama é o grande negócio, pratica-se vadiagem televisiva em um formato despretensioso e com aparência séria e inquestionável, há quem acredite que masturbação dá pelos nas mãos... Quanto mais em celebridades com cara de Vivien Leigh e coração das bruxas de Walt Disney. Pega-se alguém, coloca-se na TV, o desgraçado conta histórias terríveis de misérias, fome, uso de droga, câncer superados, estupros e incestos familiares, tudo temperado com musiquetas triste de fundo, comove todo mundo e no fim: “meu sonho é ser cantor para ajudar minha família”. O dito cujo pode até merecer ajuda, mas nem por isso tem o direito de nos infernizar os ouvidos com sua voz de bordel BR 69.
O insuportável Twitter é a casa preferida por celebridades cabeças ocas: apresentadores de programas e suas dançarinas “Tintura Paquetá”, políticos modernosos, artistas desempregados e desocupados e seus seguidores sonhadores em tirar uma casquinha na fama alheia, afinal ser seguidores dessa gente para outras tantas já um começo para o seus segundinhos de fama.
Estudar que é bom ninguém quer e com a mãozinha de um governo tosco, de uma mídia que se comporta como adestradora de jumentos... Estamos feitos.
Ligo a TV fico zonzo é tanta loirinhas, tantos sobrenomes italianos, tantos descendentes de alemães que me pergunto: cadê os brasileiros? Alguém grita: “está ligando para escolher a égua que vai ser eliminada da fazenda essa semana” Não ouso perturbar... É uma questão muito séria essa de éguas e fazendas. Viva o bispo Alfredo e sua propaganda subliminar sobre como Jeová o fez seu representante mor. Tolos do mundo aos meus pés ajoelha-vos!!! Valeu bispo Alfredo como dizem por aí “Deus é o caminho, a verdade, a vida e o senhor o pedágio”.
Somos campeões em futilidades, se essas porcarias todas fossem comestíveis daria uma caganeira desgraçada. No SBT aos domingos podemos assistir emocionadas as aventuras do jumentinho Brasil pela Amazônia ou Silvio Santos e “seu riso franco para um filme de terror” chamar seus convidados de burros... Que inveja de você Silvio!!!!
Mas se preferir coisas melhores há na Globo o Bufão e suas Olimpíada de cadelas vipes é um sucesso com diarréia global de audiência.
Na Bahia desde o ano passado muitas pessoas morreram vitimadas pela meningite... O governo diz não tem grana para vacinar toda população, mas quer construir uma ponte de Salvador a Itaparica (nossa Rio-Niterói), concordo, o povo da Ilha merece, mas não é uma questão urgente quando há uma grave crise na saúde.
A política brazuca não é muito diferente do programa do Ratinho ou um Sem Censura que é quase um vídeo Show “elegante”... Mas como escreveu Geraldo Vandré

“Então não
pude seguirValente em lugar tenenteE dono de gado e gentePorque gado a gente marcaTange, ferra, engorda e mataMas com gente é diferente...”
Quer dizer, depende qual canal esteja sintonizado.

http://edineysantana.zip.net
ediney-santana@bol.com.br








Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…