Pular para o conteúdo principal

“Aqui é o meu país de sonhos sem cabimento” *

É fato, muitos e muitos brasileiros olham o país como uma grande piada, às vezes penso que os únicos momentos os quais alguma coisa por aqui é levada a sério são jogos de futebol e vídeo cacetadas do bisonho Faustão e seu Domingão tão chato quanto o próprio.
Sim! Tudo no Brasil, como disse José Simão, parece uma piada que já nasce pronta. Olhamos um dedicado policial subindo um morro e enfrentando bandidos com armas de última geração compradas nas mãos de quem? De outro policial.
Salário do policial honesto? R$ 1.500,00. Patrimônio do policial traficante de armas? Mansão no Guarujá e cobertura no Complexo de Copacabana.
É ou não é uma piada que já nasce pronta?
Nos finais de semana na região metropolitana de Salvador são assassinadas em média quarenta pessoas, no período de carnaval essa mesma região ganha quase um milhão de habitantes. Estatísticas oficiais dizem “não ouve crimes relacionados ao carnaval, só algumas briguinhas de mulheres e trombadinhas pedindo dinheiro para comprar crack”
Caetano Veloso já está perto dos setenta anos de idade e ainda tem fôlego para lançar dois discos seguidos de rock, comer lindas morenas e chamar o presidente de analfabeto. Será só fôlego mesmo?
Pobre **Roney Jorge e os Ladrões de bicicletas que não tem fôlego nem grana para o jabá de jornais e FM piratissimas.
Não levamos a sério nossas tragédias e vergonhas, ao contrário, nossa falta de seriedade em determinadas questões é celebrada com purpurina e carnaval.
Como somos tolos, a turminha do tráfico de órgãos, pessoas, armas e pane tones em parceria com as quadrilhas parlamentares e executivas é quem leva o Brasil a sério, para eles o Brasil é um grande bordel em que todos os prazeres, virtudes e vícios têm preço. O santo de hoje a depender da propina oferecida, amanhã será o mais terrível demônio a trancar nossas ruas, nossas vidas e esfacelar nossos sonhos.
Em “Revolução dos Bichos” de George Orwell, há um fantástico personagem chamado Garganta, um porquinho falastrão, ele tem o poder de convencer alguém de que o amarelo na verdade é vermelho. O livro termina com humanos e porcos dançando, dança realçada com uma magistral frase “no final não sabíamos quem era porco ou quem era gente” Garganta sabia das coisas.
Ainda bem que aqui no nosso país não há porcos falastrões, só há hienas , cordeirinhos e voluntários palhaços. Desculpe Carequinha...
* Frase de Ivan Lins
** Banda baiana de rock a qual alguns críticos musicais dizem que Caetano Veloso, vem, digamos, se inspirando nós seus últimos dois discos.

http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

“Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José”

A internet tem tirado do limbo muitos artistas que foram solenemente ignorados pela crítica e mídia ortodoxa ou pior, foram massacrados por uma estrutura midiática preconceituosa e elitista. Odair José foi um desses artistas que mesmo com uma importante obra foi deixado fora do que cretinamente chamam de MPB, essa sigla é a senha para que muitos artistas sejam desprezados e outros coroados como “gênios” e inquestionáveis. A internet nos faz olhar para o lado e ao olharmos para o lado encontramos um importante legado de inúmeros artistas, artistas que antes eram chamados de bregas, ou seja, inferiores culturalmente, politicamente, e não só isso, o público desses artistas também foi durante muitos anos marginalizados, tanto que muitas pessoas escondiam que gostavam deles. Curioso é que esse preconceito todo foi dogmatizado por gente supostamente progressista e defensores de causas nobres, gente que se diz sensível as nossas mais dolosas demandas sociais, mas aceitaram fazer parte da co…

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…