Pular para o conteúdo principal

Gratidão e solidariedade

Na Bíblia está escrito, em algum dos seus livros, que quando for feito um ato de solidariedade deve-se fazê-lo de tal maneira que não se obtenha lucro algum com isso. Ser solidário é algo gratuito e não arquitetado negócio para um dia ser cobrado juros ou manter a pessoa ajudada atada a nós com uma “divida” a qual nunca vai poder ser paga.
Gratidão é o reconhecimento de uma boa ação recebida, não é uma devoção ou culto a um deus salvador, nada disso, é saber-se humano o suficiente para reconhecer o quanto outra pessoa parou um instante da sua vida para nos ajudar em um momento difícil.
Quando tinha mais ou menos treze anos de idade meu pai me mandou ao supermercado Ribeiro, em Santo Amaro, para comprar algo, quando ia saindo fui surpreendido pela fúria da dona apontando o dedo para mim e dizendo: “cadê o pacote de feijão roubado por você?”.
Como qualquer criança fiquei apavorado, não era ladrão, não havia roubado nada e estava em maus lençóis, foi quando apareceu o Jonas, um vizinho da Rua da Linha onde durante alguns anos morrei, e me defendeu da acusação de ser um ladrão de feijão.
Nunca mais esqueci da cena terrível e até hoje só entro nos lugares se for para comprar algo, nada de passear em lojas ou shopens, mas até hoje também sou amigo do Jonas e tenho por ele enorme gratidão por seu gesto de solidariedade para comigo naquela noite.
No livro Insight de Daniel Carvalho Luz ele conta uma história emocionante de gratidão e solidariedade: uma criança inglesa estava tomando banho em um riacho quando começou a se afogar e gritar por socorro, outra criança ao ouvir os gritos o socorreu e o livrou da morte.
O pai do quase afogado ficou muito grato à criança que salvara a vida do seu filho e quis recompensá-lo perguntando a criança o que ela queria. “Estudar medicina, mas minha família é muito pobre e creio... Assim como meu pai serei camponês” respondeu a criança.
“Então ta resolvido, você vai estudar medicina” disse o pai do garoto que quase morreu afogado. Isso aconteceu, ele estudou medicina, o curso foi pago pelo homem grato por ter salvado a vida do seu filho, mas depois daquele dia o qual salvara a vida daquela outra criança nunca mais viu de perto aquela família.
Anos mais tarde, muitos anos mesmo, Alexander Fleming o genial descobridor da Penicilina foi chamado às pressas a África para socorrer um importante político o qual estava à beira da morte, ao chegar lá Alexander Fleming se emocionou ao saber que o importante político era o menino há anos livrado da morte por ele. Quem era o importante político? Winston S. Churchill, ele teve sua vida salva duas vezes pela mesma pessoa.
O gesto de gratidão do pai de Winston S. Churchill para com um pobre garoto ajudando na sua formação fez com que um dia Alexander Fleming descobrisse a penicilina e salvasse não só a vida do Churchill, mas a de milhões de pessoas pelo mundo até os dias de hoje.
Certa vez fui internado no HGE (Hospital Geral do Estado da Bahia) um bom hospital, mas como na Bahia se prática a ambulância-terapia (quase todo mundo que adoece no interior do estado é jogado dentro de uma ambulância e entregue em algum hospital púbico na capital), o HGE não tem como atender quase a população do estado inteiro e acaba ficando com cara e jeito de açougue.
Presenciei neste dia no qual fiquei internado uma cena inesquecível, um morador de rua chegou e assim como eu ficou jogado nos corredores do hospital, sua perna estava podre e cheirava muito mal, um jovem médico solicitou a uma enfermeira a limpeza da perna do paciente para ser feito alguns exames: “limpe você” disparou a enfermeira.
O médico ajoelhou e limpou cuidadosamente a perna do senhor, ao observar toda cena aquele pobre homem, olhou para o médico como quem nunca havia sido tratado com gentileza e carinho, não se incomodara com a grosseira da enfermeira, já devia está acostumado a ser maltratado, mas se espantou com a educação do médico, foi um olhar doce e gentil, um olhar o qual não se esquece.
São muitos os exemplos de gratidão e solidariedade e neste início de 2010 é isso que espero para todos nós. Desejo vida boa para todos, porque é de vida que vivemos e por ela fatalmente um dia morremos.
http://edineysantana.zip.net
ediney-santana@bol.com.br





Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…