Pular para o conteúdo principal

Semântica do bem ou mal

Na magistral fábula “O Pequeno Príncipe” de Antoine de Saint-Exupéry encontramos uma frase sentença a qual vai de encontro a quase tudo ensinado e aprendido por nós, seja nas escolas ou na família, entre amigos ou na convivência forçada com inimigos: “O essencial é invisível aos olhos”.
Ser bom? Mal? Isso é fácil, quero ver é ser justo. Tente agir com justiça uma hora por dia e veja logo o número de seus desafetos se multiplicarem. Na maioria das vezes só somos interessantes aos outros se somos úteis, atalhos, caminhos para os seus sonhos, fora disso, adeus seu mané!!!
Desgraçadamente fomos todos transformados em pontes, em um arco-íris que ao final há um possível pote de ouro. O essencial hoje depende da conta bancária e não importa se essa conta esteja repleta de crimes, ódio, mortes e misérias. O dinheiro sujo ou não faz sorri quase todos.
O mal e o bem são da mesma ordem, exige de nós a tomada de partido a partir de uma série de questões as quais não raro são emocionais, ao contrário da justiça que nos exige racionalidade. A bondade deixa a mãe cega ao filho viciado, à maldade com suas paixões leva ao crime.
A justiça é cortar na própria carne, e sentir da dor do outro, mas saber que naquele momento não está em jogo um individuo ou nosso amor, nossa amizade, é preciso ser racional para nos “salvar” das misérias estabelecidas na nossa normalidade doente.
O jogo de interesse é gigantesco, o prazo de validade é colocado na testa assim que nascemos: se pobres há de se lutar muito para não ter no concreto das relações o bem imaginário ou a maldade objetiva nas costas a nos levar cedo para lugar algum.
Meu amigo Idelmar de Oliveira (Castro D’ Mar) brinca comigo dizendo que eu ainda acredito na humanidade, quem sabe esteja certo. O essencial do Pequeno Príncipe talvez tenha morrido na guerra, a mesma que matou seu autor e hoje assume tantas mascaras, mas é o velho terror de sempre.
Vai-se maquiando, fingindo-se uma delicadeza humana que não se tem, no fundo há um enorme estômago no lugar do coração, nada, além disso. Além das entrelinhas encontra-se a morte ou o crime.
Boris Casoy apresentador de um telejornal na TV no último dia do ano (2009) disparou contra dois gentis garys que desejaram para todos nós um grande 2010: “dois lixeiros do alto das suas vassouras, os últimos na escala do trabalho desejando feliz ano novo” no outro dia o tosco jornalista pediu desculpas e ficou tudo por isso mesmo.
É assim que essa gente pensa, o “isso é uma vergonha” ou “dominado” tão utilizados pelo senhor Boris só revela o sentido real de como ele enxerga o povo desse país, o povo que não cheira pó nas coberturas da Avenida Paulista ou nos camarins das TVs.
Há uma belíssima canção da banda Catedral, Carpe Diem, na qual há uma frase simples, mas sínteses de tudo escrito aqui: “Estamos ainda no tempo dos indivíduos/ há tantas auroras que não brilharam ainda/ vai coração dizer/ ele está aqui/ aproveite o dia/ todo espelho mostra apenas o que queremos ver”.
http://edineysantana.zip.net
ediney-santana@bol.com.br


Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…