Pular para o conteúdo principal

O Pequeno déspota

Pior que um chefe Gargamel é um sub-subordinado dando ordens implacáveis e sem margem para negociações. Um sub-subordinado é aprendiz de tirano e geralmente é tão somente testa de ferro de um chefe aparentemente gentil e democrático, mas em verdade é um déspota.
O sub-subordinado é mestre em fazer revoluções ao contrário, tem excelência no atraso e na mediocridade das relações, vermina sua tirania através do pequeno poder. É o advogado que arrota uma vazia ó-toridade em cima de alguém que só encostou um carro no seu, o professor a humilhar um aluno só porque errou uma questão em uma prova decoreba, o policial que se faz juiz, promotor, jurado e sentencia quem bem entende com sua ó-toridade criminosa... Etc...etc...etc...
O sub-subordinado manifesta seu pequeno poder toda vez que sente seu delinquísmo sócio-emocional ameaçado, satisfaz ele o seu ego doente ao humilhar, ameaçar, adoecer a quem ele escolha como vítima e gozo para sua covardia escondida atrás do manto de liderança, seriedade e trabalho.
Pessoas que agem com excesso ou presumida autoridade geralmente tem históricos de perdas e frustrações, sentem-se humilhadas na condição a qual se encontram, deliram ser um César quando sabem: não vão além de um vassalo bobo na estrutura do sistema que estão grudados como vermes e como vermes certamente um dia vão ser descartados.
Trabalhar em um lugar no qual a disputa é a palavra final é por demais constrangedor e nem um pouco saudável para quem gosta de produzir, contribuir para o bem e progresso coletivo da empresa, de um órgão público... Etc.
Infelizmente muita gente se submete ao sofrimento silencioso nas garras do sub-subordinado por imaginar não ter alternativas, perspectivas ou medo de perder o emprego. Mas tudo isso é um erro, qualquer constrangimento ou excesso de autoridade no trabalho ou em qualquer lugar deve ser denunciado às instâncias maiores da empresa, da instituição, ou seja, lá onde quer que ocorram os atos canalhas do sub-subordinado e suas estratégias de pequeno poder.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…