Pular para o conteúdo principal

Amor da tua vida

Certa vez li em algum lugar que um bom livro é aquele que guarda sempre um mistério, que não se revela por completo.
Para mim o amor que interessa e sobrevive à crise da rotina é o que também guarda seus mistérios, o amor nunca revelado por completo contínua sendo sedutor.
Sem mistérios não há espaço para fantasias, ao nos revelarmos por completo nos tornamos comuns aos olhares do ser amado.
O amor cama, mesa e banho é o amor previsível, saturado e cedo ou tarde se perder na rotina é o encanto nu, vulgarizado. O beijo terno e gravata é a ponte para a separação S/A, beijo com cotação na bolsa de valores da alegria de estarmos juntos na mendicância das emoções.
Um dia no Globo Repórter vi um casal de velhinhos e fiquei bastante emocionado por eles viverem um amor adolescente, como todo amor deveria ser. Amores adolescentes guardam algo de “o mundo pertence a nós” *, amores envelhecidos são sufocados por tantos outros mundos no qual o próprio amor é algo menor, algo não rimado com felicidade a dois.
O amor do casal de velhinhos não esfriou quando no corpo havia mais rugas que tesão, era um amor encantado com o estranho que a cada dia amanhecia ao lado, o estranho que naturalmente ia se reinventando na alegria de amar sempre e sempre a mesma pessoa.
Todo amor deveria ser adolescente, todo beijo como o primeiro e único, cada orgasmo como a energia dos mistérios que ao se revelar oferecem muitos caminhos que não precisam ser revelados para no coração do amor nossa alegria despertar.
O problema é que emoções compartilhadas envelhecem. O padre Antonio Vieira em um ácido e definitivo sermão sobre esse tema (O Tempo e o Amor) joga a culpa pelo cansaço de se estar junto de quem se ama, não no fim dos mistérios sutilmente compartilhados, mas no tempo, que segundo ele tira as novidades das coisas.
O tempo tira a novidade do amor antes vivido com tesão quando queremos do outro fazermos extensão das nossas vidas negando-lhe o direito de viver a sua, para o nosso amor egoísta o outro é importante quando conseguimos fazer com que ele esteja a cada dia mais parecido conosco, uma espécie de androide sem direito a coração próprio, quando queremos no outro um “porto seguro” sem nos preocuparmos se ele mesmo estar seguro ao nosso lado, quando exigimos um amor que não oferecemos, quando queremos fazer do outro um laboratório para realizarmos nossas experiências de doma sentimental, quando queremos extorqui do outro sua” Razão e sensibilidade”**
Desde cedo aprendemos a ter e nunca compartilhar, levarmos nossas competições diárias para o amor e cama, fazermos sexo para provar para o outro e a nós mesmos que somos bons e não para compartilharmos emoções, somos dados a fazer prisioneiros emocionais e nos rimos disso.
Sem doses de mistérios perde-se a graça de se estar junto e mesmo a cumplicidade deve ter seus limites, há na vida de cada um uma fronteira que nem mesmo um grande amor deve ousar a cruzá-la. O que desejo para mim? Todos os dias dormir e acordar com um novo amor, o mesmo amor de sempre motivado pelo essencial do amor que vai estar lá nele sempre a nos esperar.
Vinícius de Morais está certo quando nos diz que um amor deve ser eterno enquanto durar, viver intensamente nem que saiba por 24h um grande amor, nos perdermos nos seus mistérios e dizermos adeus quando pouco dele nos restar, dizermos isso com elegância de nos permitirmos amigos próximos do coração, da razão e dos “mistérios sempre há de pintar por aí”***
http://edineysantana.zip.net
ediney-santana@bol.com.br

* Frase de Carlos Colla
** Título do romance de Jane Austen
*** Frase de Gilberto Gil

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…