E se eles voltassem?

Sentir saudades de quem nos deixou pela força implacável da morte é natural. A saudade por quem morre não é mesma por quem foi viver em outro país ou um amor “eterno” que ao olhar para o outro lado da rua também descobriu o seu eterno amor e nos abandonara de mala e cuia.
A saudade que sentimos por alguém que está morto não é tão definitiva quanto à própria condição de morto, morreu acabou. Só se vive mesmo nas saudades e recordações de quem está vivo... Em alguns casos, porque na maioria das vezes se é esquecido por completo.
No entanto há histórias de pessoas as quais nunca superaram a perda de um ente-querido, sei de gente que todas as semanas vão ao cemitério levar flores e chorar por seus mortos e de pessoas materialistas ao extremo que depois da morte de uma pessoa querida se converteram ao espiritismo na tentativa de uma comunicação direta com o além.
Fico a pensar, se depois de dez ou trinta anos o morto batesse a porta e dissesse: “voltei, não me reconhecem” “ quem é esse cara de óculos fundo de garrafa?” “ e você meu bem não está a me reconhecer?” Seria uma cena constrangedora.
Seus filhos já crescidos a chamarem o padrasto de pai, a maioria dos seus amigos já mortos, seu time de futebol não ganha o campeonato há uns quinze anos, o Brasil agora é governado por uma sangrenta ditadura PTralha e proibiu o jogo de pelitinho no bar do Pedro, também já morto, o Bar agora é do Pedrinho seu caçula.
O morto renascido se sentiria sozinho, sem referência alguma com o mundo o qual voltara à vida. Escrevi esse texto depois que li em uma revista que nos Estados Unidos os ricos de lá estão pagando uma fortuna para serem congelados depois da morte e daqui a cem anos ressuscitados pela ciência a qual talvez já tenha a cura para as doenças que os vitimaram.
Essa história é para nenhum Alduz Huxeles botar defeito. Imagine a cena, pobres e ricos defuntos ressuscitados em um tempo não mais seus. Esses ricaços deveriam doar suas fortunas para ajuda humanitária, institutos de pesquisas com células tronco, câncer e AIDS. Seria muito mais proveitosas e menos inúteis suas vidas e mortes.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys