Pular para o conteúdo principal

Mariazinhas do meu lugar

Preocupa-me as mariazinhas do meu país que bem não aprenderam a falar já foram caladas pela pedofilia, pelo trabalho infantil, pela gravidez sem pai e sem carinho, por uma escola pública cada vez mais miserável, pela sensibilidade anestesiada, pelas misérias institucionalizadas.
As mariazinhas do meu país sofrem sozinhas, desconhecem o significado prático de palavras como: solidariedade, justiça, afeição e amor.
O único sentimento vivido e o de abandono. As mariazinhas do meu país são meninas mulheres, não sonham, vão vivendo, sinto em mim as dores das mariazinhas do meu país, mas não são dores completas, só quem vive na penumbra de ter como pai e mãe o acaso e quem sente por completo a ausência da alegria, o desejo e o prazer de se estar vivo.
Ontem existia o negro, o branco e o índio, cada um em sua solidão étnica e toda carga de tragédias políticas entre eles, hoje há o branco e o branco de 2º categoria, o negro e o negro de 2º categoria e o índio e sua quase extinção étnica na caricatura da história. Misérias ampliadas, a humanidade de joelhos para si mesma.
São as tais tragédias a vencer a utopia de um mundo politicamente equilibrado: avanços tecnológicos e oficialização das delinquências sociais.
Vou dormir, espero que com esse frio lá fora, todas tristes mariazinhas do meu país estejam e durmam em paz. Mesmo com tantas dificuldades pela vida me recurso a existir sem sentido, de razão absoluta ou do caminhar pelo pragmatismo do ter e ser a qual custo.
Há os corações além da individual paz, há as mariazinhas e suas vidas prontas para acontecer... O dia amanhece sinuosamente nos braços da chuva, ao longe alguém ouve Rita Ribeiro, algo de lindo, ouço os roncos dos ônibus a levaram trabalhadores para seus empregos, alguém grita: é domingo!!! Embora não seja católico, vou à missa do Rosário ouvir Padre Rogério... Coração cheio de silêncio e amor pelas mariazinhas.
ediney-santana@bol.com.br
http://edineysantana.zip.net/

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…