Pular para o conteúdo principal

Em Memória

No final do ano passado os professores Álvaro Henrique e Eclisnei presidentes da APLB (sindicatos dos professores) em Porto Seguro, foram covardemente assassinados. Agora em março o Ministério Público apontou como mandante do crime o secretário municipal Edésio Lima Dantas e os executores três policias militares e mais dois pistoleiros de aluguel.

Esses dois professores sindicalistas estavam liderando uma greve e faziam graves denúncias às quis apontavam irregularidades na administração municipal, morreram no cumprimento necessário do dever.

O crime lentamente vai asfixiando a todos com as cores da vergonha e as benções de uma justiça voluntariamente cega, a inversão de valores coloca criminosos no altar das santidades enquanto pessoas de bem vão sendo exterminadas pela imoralidade estatal de um país governado por falanges perigosíssimas.

Solidarizo-me com a família dos dois professores mortos, com seus amigos e colegas de trabalhos, sei que o momento é de profunda dor. Perder de maneira estúpida duas criaturas que devotavam suas vidas a cuidar de algo tão nobre: a relação trabalho, magistério e sociedade nos deixou tristes e com sentimento de impotência.

Em meio a tanta angústia e dor algo de belo e comovente aconteceu, os professores de Porto Seguro deram a todo o mundo um exemplo de coragem, atitude e solidariedade, não recuaram diante ao terror estalado na administração municipal, não se intimidaram e desde as primeiras horas do crime endureceram contra os narcopoliticos de lá e em março fizeram novamente greve, barricadas em estradas e exigiram da polícia, poder judiciário a prisão do mandante dos assassinatos e tiveram todo o apoio do Mistério Público da cidade.

Reforço meu orgulho em ser professor quando vejo o exemplo dos meus colegas Álvaro Henrique e Eclisnei que não se venderam, não traíram nossa categoria, como eles aprendemos o quanto ainda há sindicalistas honestos dispostos realmente a fazer algo de importante e decente, pela demonstração de politização dos professores em Porto Seguro, demonstraram que não vivem como coelhos assustados ao pisar do pé dos canalhas de sempre, os professores de Porto Seguro merecem todo respeito, sabem exatamente que ser professor não é fazer bico, ou uma profissão de quem não teve outra opção.

Os dois professores morreram na solidão do que acreditavam, não eram ricos, viviam na zona rural da cidade, não vão ser nomes de escolas, porque nossas escolas, com raras exceções, servem para homenagear facínoras de toda sorte. Há muitas maneiras de se calar vozes sinceras entregues a paixão de uma vida justa.

Todos os dias dezenas de professores são assassinados no país, são assassinados quando os técnicos do Mec sozinhos dizem o que deve ou não ser pedagogicamente bom para a educação, quando estudam em universidades “caça níquel”,quando reproduzirem conhecimento sem o exercício do pensar, quando trocam direitos por vantagem, quando se contentam com migalhas temperadas entre lágrimas e sorrisos criminosos, quando se sentem parte da festa, mas são apenas os faxineiros de luxo no bordel que é a pedagogia para crime das relações entre poder executivo, alguns sindicatos e entrepostos da justiça.

Há os assassinatos visíveis, mas há a construção invisível dos idiotas, dos estúpidos, dos mortos vivos. O Brasil é um país de pensar fantasma, tudo aqui é ficção. Desde quando ser rico ou ter tido um vida difícil serve para avaliar nossa honestidade? Desde quando chorar compulsivamente em público significa bondade ou sensibilidade?

Os professores de Porto Seguro foram assassinados por gente que deveriam protegê-los, por gente insuspeita. Alguém me perguntou por que nunca dou nome aos “bois” quando escreve aqui no Trombone, escrevo de maneira subjetiva porque não há razões objetivas em Santo Amaro para que eu coloque minha vida em risco... Meu amor, respeito e gratidão política os professores Álvaro Henrique e Eclisnei, morreram por razões sinceras, por uma gente que cansou de ser tratada como marionetes na senda criminosa dos bandidos oficiais de um país invisível aos olhos da razão.

http://cartasmentirosas.blogspot.com

PS-As fotos em detalhes são dos professores Álvaro Henrique e Eclisnei



Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…