Pular para o conteúdo principal

1990

Pertenço à geração dos anos de 1990, a geração sem exageros ideológicos na criação de heróis ou bandidos. Se os anos de 1980 foram o da abertura, os anos de 1990 foi a década da ressaca, vazio e construção.
A máquina política inventora do cotidiano atuou vorazmente até os anos de 1980, destruiu e criou mitos, ergueu sonhos e encarcerou idealismos, deixou todos com a sensação de que tudo estava acabado e nada mais por descobrir ou criar.
Descobriu-se da maneira mais triste que a modernidade já era e que a pós-modernidade é um engodo, uma idade média em que a inquisição lança a todos na rede comum do cansaço em ser gente, ser gente deixou de ser uma novidade e passou a ser rotina, como cadáveres deixados em uma calçada qualquer e servidos à mesa todas as manhãs em programas de TVs pós-modernamente medíocres.
Claro que a máquina da invenção do nosso cotidiano continua atuando, mas hoje com bem menos força, essa máquina tem que lidar com os “monstros” inventados por ela. A tecnologia criada pelas grandes corporações para que aumentassem seus lucros e poder desde os anos de 1990 vem possibilitando tudo aquilo sonhado pelos Punks:” faça você mesmo”.
O “faça você mesmo” dos Punks vai concretizando um novo modelo cultural e político, nunca foi tão fácil projetar culturas e se fazer interferências sociais com poucos recursos e sem a pressão de vender, ter lucro, criar gostos ou ter que sorrir forçado para quem não tem harmonia com o que acreditamos.
As gravadoras, por exemplo, sempre determinaram quem seria Cult, sucesso ou descartável, agora enfrentam graves problemas para sobreviverem desde que elas mesmas inventaram as gravações digitais e a facilidade de cópia de seus produtos através de CDs e sites na internet.
A solução encontrada pelas gravadoras é ressuscitar os velhos discos de vinil. Já começam, com ainda, tímidas campanhas de marketing incutindo na cabeça dos incautos de que “o melhor som gravado é no vinil” que comprar vinil é” uma atitude cultural” e é claro resgatando um velho slogan “disco é cultura” e cd não é?
Com as copias livres de CDs e vídeos, o surgimento dos Blogs, TV a cabo e virtuais, home studios e editoras populares o processo de criação, deformação e divulgação artístico ou político deixou de ser exclusividade das grandes corporações do entretenimento ou da política.
Desde os anos de 1990 são os “desconhecidos” que estão formando ou deformando o “novo” Brasil. São esses “desconhecidos” que aos poucos conseguem a proeza de serem lidos sem estarem na listinha da Veja, serem ouvidos sem aparecerem em progamentes de auditório.
Tudo isso sem a internet seria impossível. Se há um inchaço de coisas ruins pela rede, há também um monte de coisas interessantes. Meus novos ídolos estão no Blogspot, MySpace, Zip net, Mídia Independente, Face book, Palco MP3, Yutub e em livrarias populares. Pessoas de todas as idades e gerações que sem a internet talvez eu nunca soubesse que existissem. As editoras tradicionais, por exemplo, não ou raramente lançam livros de novos poetas.
Meus novos ídolos não revolucionaram nada por encomenda das redes de TV ou gravadoras, estão expostos por aí como realmente são, não importa para mim se eles não têm um milhão de seguidores no twiter, ou se suas canções são as menos baixadas da rede, não gosto de fama, gosto de sucesso.
Se a internet é o lugar das falcatruas e inverdades é também o lugar que a dignidade artística e real talento estão ao alcance dos dedos. Contudo não estou dizendo que o produzido por gravadoras ou lançados por editoras tradicionais são ruins, não é isso, há milhares de boa gente lançadas por essas empresas, muita gente que ajudou na minha formação... Mas agora os excluídos desse processo cultural industrial têm uma oportunidade única de re-desenharem culturalmente e politicamente o nosso país.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…