Pular para o conteúdo principal

Aqui é o meu país
























Uma cidade que está entre as mais poluídas do mundo por metais como Chumbo e Cádmio.

A poluição começou em 1956 quando o grupo francês Penarroy Oxide S/A abriu uma fábrica na cidade para produzir lingotes de chumbo.

Em 1989 a unidade da Penarroy em Santo Amaro-Ba foi comprada pelo grupo Trevo do Rio Grande do Sul, em 1991 finalmente a fábrica foi fechada.

Os resíduos do chumbo, escória que polui toda cidade, segundo estudos podem chegar a 490.000 toneladas, isso tudo está enterrado pelas ruas, quintais, campos, jardins e no pátio da antiga fábrica, se você vier a Santo Amaro não vai notar nada de diferente, mas a tragédia esta aqui nos envenenado.

Durante 33 anos de atividades na cidade a fábrica produziu cerca de 900 mil toneladas de chumbo e faturou US$ 450 milhões, deve milhões em dividas trabalhistas a ex-funcionários, muitos já morreram contaminados pelo chumbo.

A AVICCA, associação dos contaminados que defende os ex-trabalhadores, conta em seus registros: 89 viúvas da contaminação e 560 crianças gravemente doentes.


Há depoimentos de que os filtros das chaminés da fábrica cheio de resíduos de chumbo foram utilizados pela população para confeccionar roupas, tapetes e cortinas.

O uniforme dos trabalhadores da fábrica, impregnados de resíduos químicos eram lavados em suas casas o que contaminou também suas famílias.

70% das ruas foram calçadas como os resíduos de chumbo. Toda essa contaminação causa as pessoas: Câncer, anemia, lesões hepáticas, renais, hipertensão, neurológica, neurocomportamentais, encefalopatia, diminuição das funções cognitivas e motora, baixo peso, aborto, diminuição do número de espermas, osteoporose e outras doenças.
Há 44 anos a cidade tem a maior incidência de câncer do estado da Bahia e elevadíssimos registros de tuberculoso e hanseníase.
Segundo o IBGE, 12.440 pessoas em Santo Amaro tem algum tipo de deficiência física, isso corresponde a 21,8% da população. Essa média é a maior do estado, a média de pessoas em Salvador com alguma deficiência não ultrapassa os 15,6%.
As fotos que ilustram esse artigo foram tiradas no hospital Modernidade da cidade e há evidencias confiáveis de que as deformações foram causadas pelo chumbo. Não estão aqui por sensacionalismo, estão aqui para que todo mundo saiba como vivemos e os riscos que corremos e mesmo assim nenhum governo até hoje fez nada para nos ajudar.
Nenhum grupo ambiental atual na cidade, não há nenhuma política pública para o meio ambiente ou de controle dos efeitos da contaminação sobre cidade, o número de pessoas com câncer é assustador, morrer de câncer em Santo Amaro é uma macabra rotina.
Esse texto foi adaptado de um documento oficial do governo da Bahia, se você desejar saber mais posso enviá-lo completo ou se preferir assista no seguinte endereço http://www.youtube.com/watch?v=VvyN5nnF6DM um vídeo sobre o problema.
Concordo que devemos salvar a Amazônia, as tartarugas marinhas, as orquídeas, baleias e golfinhos, mas será que no mundo não há alguém que possa nos ajudar? Sozinhos não
podemos resolver nossos problemas.
http://edineysantana.zip,net
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…