Pular para o conteúdo principal

No enterro

Domingo fui ao enterro de um conhecido fotógrafo e professor aqui da minha pequenina aldeia.
Da morte não se discute, ela chega e pronto; é o fim do caminho. O morto, tenho quase certeza, nem sabe que deixou de existir.
O falecido não tem como saber o quanto hoje não há rotinas, que agora para ele vale o não tempo, não há o delicioso friozinho de fim de tarde, cigarros solitários, cerveja no Bistrô do Miúdo, “bença” mãe, bate boca sem propósito no adro da Purificação.
O morto é tão somente um morto, singularmente morto, nada além disto. O resto é medo que isto seja mesmo assim: além do túmulo haja só o pó como coroamento de uma vida a qual para morte pouco importa se foi santa ou pecadora.
A morte só mata, não é um tratado sociológico, movimento cotista ou nazista a estabelecer metas de igualdades ou mesquinharias humanas.
Tenho pavor dos rituais que envolvem a morte: flores sobre o peito, caixão, rezas chatíssimas, velas, badalar de sinos, velório. Só essa palavra já deixa a morte mais feia do que sua essência gelada: V.E.L.Ó.R.I.O.
Há os discursos e lágrimas nem sempre sinceras. Parece: a emoção, amor e afeição que faltaram à vida toda ao morto afloram exatamente ali justamente quando já não lhes valem mais nada...
Para mim deveria ser assim: morreu o corpo sairia voando e desapareceria nos céus, sem cemitérios, alma e palavras de conforto as quais se o morto pudessem ouvi-las em muitos casos morreria de vergonha.
O falecido (quando vivo é claro) mendigou amor, buscou desesperadamente carinho e compreensão, mas justamente quando está mais duro que palito de fósforo tudo isto aparece na hora do velório, vomitado em sua cara com uma sinceridade de um Silvo Santos e seu “bom” coração capitalista.
Em meio ao necroteatro há as pessoas sinceras, estão ali para com dignidade se despedirem de um amigo ou parente. Aí sim, se o falecido pudesse ouvi-los ou vê-los, tenho certeza, ficaria contente em saber: “amigo na alegria, amigo na dor”.
Para além, nada além. Não posso afirmar e ninguém também pode me negar, então fico com a opção de que a sepultura é o grande podium de chagada a coisa alguma do que somos.
Em enterros prefiro o silêncio ao deixar para sempre alguém que em vida tive ou teve por mim alguma afeição.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…