Pular para o conteúdo principal

No enterro

Domingo fui ao enterro de um conhecido fotógrafo e professor aqui da minha pequenina aldeia.
Da morte não se discute, ela chega e pronto; é o fim do caminho. O morto, tenho quase certeza, nem sabe que deixou de existir.
O falecido não tem como saber o quanto hoje não há rotinas, que agora para ele vale o não tempo, não há o delicioso friozinho de fim de tarde, cigarros solitários, cerveja no Bistrô do Miúdo, “bença” mãe, bate boca sem propósito no adro da Purificação.
O morto é tão somente um morto, singularmente morto, nada além disto. O resto é medo que isto seja mesmo assim: além do túmulo haja só o pó como coroamento de uma vida a qual para morte pouco importa se foi santa ou pecadora.
A morte só mata, não é um tratado sociológico, movimento cotista ou nazista a estabelecer metas de igualdades ou mesquinharias humanas.
Tenho pavor dos rituais que envolvem a morte: flores sobre o peito, caixão, rezas chatíssimas, velas, badalar de sinos, velório. Só essa palavra já deixa a morte mais feia do que sua essência gelada: V.E.L.Ó.R.I.O.
Há os discursos e lágrimas nem sempre sinceras. Parece: a emoção, amor e afeição que faltaram à vida toda ao morto afloram exatamente ali justamente quando já não lhes valem mais nada...
Para mim deveria ser assim: morreu o corpo sairia voando e desapareceria nos céus, sem cemitérios, alma e palavras de conforto as quais se o morto pudessem ouvi-las em muitos casos morreria de vergonha.
O falecido (quando vivo é claro) mendigou amor, buscou desesperadamente carinho e compreensão, mas justamente quando está mais duro que palito de fósforo tudo isto aparece na hora do velório, vomitado em sua cara com uma sinceridade de um Silvo Santos e seu “bom” coração capitalista.
Em meio ao necroteatro há as pessoas sinceras, estão ali para com dignidade se despedirem de um amigo ou parente. Aí sim, se o falecido pudesse ouvi-los ou vê-los, tenho certeza, ficaria contente em saber: “amigo na alegria, amigo na dor”.
Para além, nada além. Não posso afirmar e ninguém também pode me negar, então fico com a opção de que a sepultura é o grande podium de chagada a coisa alguma do que somos.
Em enterros prefiro o silêncio ao deixar para sempre alguém que em vida tive ou teve por mim alguma afeição.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…