Pular para o conteúdo principal

A palavra, escrita e leitura

O escritor Jorge de Souza Araújo* em seu livro “Letra, leitor, leituras: reflexões” traça um roteiro no qual a palavra deságua carregada de vivencias alheias ao leitor, mas que desperta nesse leitor inúmeras emoções e por fim o convida a reflexões sobre a própria palavra, o ato de ler , suas divagações e buscas pela leitura não só de uma obra mas também de si.
Há algumas passagens memoráveis na obra de Araújo como: “Ler é evitar que a alma enfarte” “ Os que não gostam de ler/ desgostam de si e do mundo” “ O espírito lúdico despertado pelo ato leitor fecunda em nós a construção saborosa de saberes e desejos” O tempo de ler livros é qualquer tempo e não um tempo qualquer” “ O texto traduz o leitor como intérprete e aprendiz de seu estar no mundo” “Ler é também liberar o outro em nós” “Meus textos alheios mesmo os mais lunáticos, ou demiúrgicos, me auxiliam a libertar-me da asfixia”.
A prosa de Jorge de Souza Araújo é deliciosa, nos convida a sentirmos os sabores das leituras e nos entregar a sensualidade de cada palavra. Toda palavra é carregada de sensualidade a nos entregar ao prazer dos seus mistérios, ao gozo das vidas idealizadas ou sentidas na ardência concreta dos prazeres, mas também essa mesma palavra pode nos frustrar, no entanto dela não saímos impunes, algo levamos para sempre: ou a alegria do gozo em comunhão ou o despertar para o vazio que nos entregamos ao tropeçar em algum conectivo sem razão.
Ler não é ruminar conhecimentos, ler é algo como desconfiar, se permitir, se entregar sem nunca abrir mão das próprias vivencias e razões, do crer e estar-se parte do difícil conflito que é viver em parceria sem anular-se e nem anular ao outro que ao nosso lado nos provoca.
Sou um exemplo de como ser leitor pode nos levar a atitudes não covardes ou passivas pela vida, ser leitor me levou a escrever, mas também me possibilitou a condição de interprete de mim mesmo, do mundo o qual quero construir e o mundo “real” que talvez não se possa fugir.
Ler nos traz todo um legado de símbolos alheios, escrever nos faz ir além de nós, refletir sobre a palavra e escrita nossa e do mundo nos permite cortejar por alguns instantes todos os sabores reais ou fictícios do personagem o qual interpretamos por essa curtíssima passagem pela nossa santa e pecadora vida entre verbos, pronomes, etc e deliciosas reticências e suas aspas.
http://edineysantana.zip.net/
ediney-santana@bol.com.br
* Jorge de Souza Araujo é professor da UESC -BA

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…